Trump critica Alemanha por gastos de defesa após encontro com Merkel

Coletiva de imprensa conjunta com Angela Merkel, chanceler alemã, e Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, em Washington DC, em 17 de março de 2017

Donald Trump acusou neste sábado a Alemanha de dever "enormes somas de dinheiro" à Otan, e afirmou que Berlim deveria pagar mais aos Estados Unidos em matéria de defesa.

"A Alemanha deve enormes somas de dinheiro à Otan e os Estados Unidos devem receber um pagamento maior pela poderosa e muito onerosa defesa que fornecem à Alemanha", tuitou o presidente americano um dia depois de se reunir com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Washington.

Em um tuíte anterior publicado a partir de sua luxuosa residência na Flórida, Trump afirmou que teve uma "EXCELENTE" reunião com Merkel, rejeitando as afirmações da imprensa de que seu encontro foi frio e de que deixou em evidência as divergências entre os dois líderes em temas como migração e comércio internacional.

"Apesar do que ouviram das FALSAS NOTÍCIAS", disse no tuíte, "tive uma EXCELENTE reunião com a chanceler Angela Merkel".

Durante a coletiva de imprensa conjunta realizada após o encontro de sexta-feira, Merkel disse que se comprometeu com o presidente americano a aumentar os gastos de defesa da Alemanha.

"Nos comprometemos hoje a um objetivo de 2% (do PIB) até o ano 2024", disse Merkel.

- Críticas -

As críticas de Trump não são novas: de fato, foram assuntos que levantou durante a campanha eleitoral, na qual ressaltou que os Estados Unidos, que gastam mais de 3% de seu PIB em defesa, arcavam com a maior parte dos custos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

A retórica eleitoral de Trump surtiu efeito e colocou sobre a mesa o financiamento da Otan entre os membros, que reduziram durante anos seus orçamentos militares.

As críticas veladas de Trump ganharam mais força num momento em que os aliados europeus percebem uma postura cada vez mais agressiva da Rússia após a anexação da Crimeia e o apoio aos rebeldes da Ucrânia.

E a Europa também se preocupa com a atitude mais flexível que Trump exibiu em relação a Moscou.

Em 2014, os Estados-membros da Otan decidiram aumentar seus gastos militares até alcançar 2% de seu PIB em 10 anos.

O PIB dos Estados Unidos representa 46% da riqueza acumulada dos países aliados, mas seus gastos militares (679 bilhões de dólares em 2016) representam 68% do total dos orçamentos de defesa dos 28 integrantes da Otan.

Além dos Estados Unidos (3,36% do PIB), apenas Reino Unido (2,17%), Polônia (2,01%), Estônia (2,18%) e Grécia (2,36%) alcançam o objetivo marcado em 2014, segundo as estimativas da Otan de 2016.