Trump diz que Biden não deveria reivindicar vitória erroneamente

·2 minuto de leitura
Grupo de eleitores de Donald Trump no Capitólio do estado de Carolina do Norte protesta contra resultados das eleições
Grupo de eleitores de Donald Trump no Capitólio do estado de Carolina do Norte protesta contra resultados das eleições

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira que seu rival Joe Biden não deve proclamar vitória nas eleições "erroneamente", em meio a uma contagem que dá uma vantagem aos democratas. 

"Joe Biden não deveria declarar vitória para a presidência erroneamente. Eu também poderia reivindicá-la. O processo judicial apenas começou!", disse o presidente no Twitter. 

Trump ressaltou que houve estados que não certificaram os resultados e que sua campanha lançou várias disputas legais que "poderiam determinar quem é o vencedor". 

No entanto, as contagens quase completas em cada estado mostram a Biden uma vantagem insuperável, permitindo que as grandes redes americanas o apontem como o vencedor, um costume em todas as eleições. 

Depois que a mídia apontou Biden como vencedor na Pensilvânia e em Nevada neste sábado, a projeção é que ele acumule pelo menos 279 votos no Colégio Eleitoral, ultrapassando o limite de 270 votos necessários para chegar à Casa Branca. 

Em uma coletiva de imprensa da equipe de campanha de Trump na Filadélfia, seu advogado pessoal Rudy Giuliani afirmou que Trump não está pronto para conceder a vitória a seu oponente. 

"Obviamente não vai ceder quando há pelo menos 600.000 votos questinados", disse, sem fornecer provas. 

Trump afirma que na Pensilvânia os observadores republicanos não tiveram "acesso significativo" para monitorar a contagem. 

Existem reclamações em vários estados de acesso insuficiente ao processo de contagem. 

Vários líderes republicanos apoiaram o presidente, incluindo a senadora Lindsey Graham, que insistiu que "as alegações de irregularidades e má conduta na votação" devem ser levadas a sério e não "escondidas debaixo do tapete". 

"Os resultados das eleições não são determinados pela mídia, eles devem ser certificados por contagem de votos", acrescentou, indicando que as autoridades da Pensilvânia devem levar essas acusações a sério, antes de certificar o resultado final. 

bur-an/yow/cc