Trump diz que surto de coronavirus pode durar até julho ou agosto nos EUA

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu na segunda-feira que se evitem reuniões de mais de 10 pessoas para impedir a propagação do novo coronavírus, e disse que a luta contra a pandemia pode durar até julho ou agosto no país.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Em uma entrevista coletiva na Casa Branca, o presidente pediu aos americanos que limitem as reuniões sociais, enquanto áreas centrais de Nova York e a capital Washington já estavam em grande parte desertas.

Leia também:

"Meu governo recomenda que todos os americanos, incluindo os mais jovens e mais saudáveis, evitem se reunir em grupos de mais de 10 pessoas", afirmou. Trump observou que a pandemia, que deixa milhares de mortos e atrapalha a vida diária em grande parte do planeta, pode terminar em julho ou agosto nos Estados Unidos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

"Se fizermos um bom trabalho... está se falando em julho, agosto, algo assim", disse Trump quando perguntado quanto tempo o surto poderia durar.

Ele também disse que pode pedir aos militares que ajudem a construir hospitais temporários para lidar com o agravamento do surto de coronavírus.

Quando perguntado se o Corpo de Engenheiros do Exército construiria hospitais de emergência, Trump disse que o governo está avaliando. "Estamos muito inclinados nessa direção", disse.

Ele também reconheceu que os Estados Unidos podem estar entrando em recessão devido à pandemia, que abalou a economia global.

Questionado se uma recessão nos Estados Unidos é possível após o colapso do mercado de ações, o presidente respondeu: "Pode ser". E acrescentou: "Não pensamos em termos de recessão. Pensamos em termos de vírus".

"E assim que isso acabar, quando acontecer e acabarmos com isso, acho que haverá um aumento tremendo e tremendo", disse ele.

Wall Street teve um dos piores dias de sua história nesta segunda-feira, em pânico com o avanço inexorável da pandemia de coronavírus que, no momento, derrota os esforços maciços dos bancos centrais para tranquilizar os mercados.