Trump e Biden jogam tudo na Pensilvânia, possível chave para a vitória

Michael Mathes
·4 minuto de leitura

Todos os caminhos da eleição americana levam à Pensilvânia, um estado considerado chave para a vitória do presidente republicano, Donald Trump e seu adversário, Joe Biden, na véspera do pleito.

Os dois candidatos e suas campanhas percorrem incansavelmente cada canto do estado onde Trump venceu em 2016 por apenas 44.000 votos, menos de 1%, e onde agora o democrata Biden aparece como vencedor entre quatro e cinco pontos percentuais, segundo as últimas pesquisas.

Biden anunciou uma viagem de última hora na terça-feira à Pensilvânia para conquistar eleitores no dia da votação.

O ex-vice de Barack Obama irá a Scranton, sua cidade natal, e à maior cidade do estado, a Filadélfia.

Ao invés de viajar a outros estados-chave, como Michigan e Wisconsin, Biden passou o domingo fazendo campanha na Pensilvânia, seu estado natal, com 13 milhões de habitantes, e nesta segunda-feira, após uma breve parada em Ohio, volta para três comícios ali, inclusive um "drive-in" em Pittsburgh com a cantora Lady Gaga.

"Cada dia é uma nova lembrança de tantas coisas que estão em jogo, do quão longe o outro lado irá para tentar com que as pessoas não votem", disse Biden no domingo em um de seus atos de campanha. "Especialmente aqui na Filadélfia. O presidente Trump está apavorado com o que pode acontecer na Pensilvânia".

Depois do Texas (com 38 votos) e da Flórida (29), a Pensilvânia é o terceiro que dá mais votos ao Colégio Eleitoral: 20.

- "Paciência" -

O prefeito da Filadélfia, Jim Kenney, pediu "paciência" na segunda-feira em uma carta aberta à população, já que a apuração pode durar vários dias devido ao elevado número de votos enviados pelo correio por causa da pandemia do novo coronavírus.

Alguns estados já começaram a contar esses votos, mas a lei impede a contagem na Pensilvânia até a terça-feira, dia oficial da eleição.

Trump garante que o atraso na contagem pode levar a uma fraude, e anunciou que irá contestar o resultado na Pensilvânia antes de terminada a contagem dos votos.

"À noite, assim que terminar a eleição, iremos com nossos advogados" brigar pelo resultado na Pensilvânia, disse Trump neste domingo a jornalistas, segundo o The New York Times.

"O presidente não vai roubar esta eleição", respondeu Biden.

De forma excepcional, a Suprema Corte americana permitiu à Pensilvânia contabilizar votos pelo correio que chegarem até três dias após a eleição, contra a vontade dos republicanos. Mas o tema poderia voltar à máxima corte depois do pleito.

Neste estado, que faz parte do "Rust Belt" (cinturão da ferrugem), marcado pelo declínio da atividade industrial, Biden aposta em recuperar os votos das famílias brancas da classe operária e dos eleitores negros urbanos.

As grandes cidades da Pensilvânia votarão em Biden, enquanto se espera que o oeste rural e o centro conservador apoiem Trump.

"Donald Trump vê o mundo a partir da Park Avenue", a avenida sofisticada em Nova York onde moram os milionários, tuitou Biden nesta segunda. "Eu os vejo de onde venho: Scranton, Pensilvânia".

Extremamente prudente devido à pandemia, Biden, de 77 anos, se abstém de realizar atos maciços como os convocados por Trump, de 74.

Em sua visita à Filadélfia, dezenas de pessoas se reuniram em um estacionamento para ouvir Biden falar usando máscara, mas sua voz saiu tão baixa que era apenas inteligível.

- "Funcionará para Joe Biden" -

Os comícios do magnata republicano, bilionário do setor imobiliário, são radicalmente diferentes. Milhares de seguidores foram no sábado a um de seus quatro comícios na Pensilvânia, muitos sem máscara, nem respeitando o distanciamento social.

"Ninguém viu nada parecido", disse o presidente, enquanto era aplaudido.

O ritmo de Trump é frenético: nesta segunda tem previstos cinco comícios em quatro estados, incluindo um em Scranton, Pensilvânia.

Biden briga por cada voto na Pensilvânia, especialmente na comunidade negra da Filadélfia, um eleitorado tradicionalmente democrata, mas que em 2016 não deu o apoio esperado à candidata Hillary Clinton.

No domingo, ele fez campanha na igreja Sharon Baptist, onde seguidores em cerca de 50 carros estacionaram para ouvi-lo.

Embora Millicent Hunter, uma pastora negra da Filadélfia, diga confiar em uma vitória de Biden no estado, ela insiste em que "não é o momento de repousar nos louros".

Se ela se inquieta por uma possível repetição do que ocorreu em 2016, quando Hillary Clinton liderava as pesquisas em Pensilvânia, Michigan e Wisconsin, mas perdeu estes estados? A pastora duvida.

"Acho que todos vimos esse filme, foi uma tragédia", disse a mulher sexagenária. "Penso que funcionará para Joe Biden", acrescentou.

Para Joseph Gidjunis, fotógrafo de 38 anos que trabalha como voluntário na campanha de Biden, o que a Pensilvânia representa é claro.

"Todo mundo vem aqui encerrar a campanha porque o estado pode ser a chave da sua vitória", afirmou.

mlm-lbc/yow/mvv