Trump incentivou disparos contra pernas de ativistas, diz ex-secretário da Defesa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Era final de maio de 2020, e uma multidão estava em frente à Casa Branca, em Washington, em mais um dia de manifestações contra a violência das forças de segurança e o racismo nos Estados Unidos, motivadas pelo assassinato de George Floyd por um policial branco no estado de Minnesota.

No Salão Oval, o então presidente Donald Trump pergunta: "Vocês não podem simplesmente atirar neles? Só atirar na perna deles, algo assim?". O ouvinte era o secretário de Defesa, Mark Esper. As lembranças são do próprio Esper, que escreveu um livro sobre os bastidores do governo Trump.

O trecho de "A Sacred Oath" (um juramento sagrado) foi revelado nesta segunda (2), pelo site Axios.

Na época, policiais e manifestantes entraram em confronto diversas vezes, e, segundo contagem da agência de notícias Associated Press, mais de 10 mil pessoas foram presas.

A reação das forças de segurança foi considerada imprópria em várias ocasiões, com uso frequente de spray de pimenta e de balas de borracha, além de seguidos casos de agressões a manifestantes. No episódio em frente à Casa Branca, a Guarda Nacional usou gás lacrimogêneo e granadas de efeito moral.

O movimento de raízes progressistas desagradou Trump, que no mesmo ano tentava se reeleger com bandeiras conservadoras. À época, o republicano chegou inclusive a ameaçar o envio do Exército para as ruas do país, como forma de retaliação aos manifestantes.

"Se uma cidade ou um estado se recusar a tomar as medidas necessárias para defender a vida e a propriedade de seus residentes, então convocarei as Forças Armadas dos Estados Unidos e rapidamente resolverei o problema para eles", disse Trump em um discurso na Casa Branca. Para tal medida, ele teria de invocar uma lei de 1807, raramente utilizada, que permite usar tropas da ativa em solo americano.

Segundo o livro indica, se a decisão dependesse apenas do então presidente, assim ele teria feito. O republicano, porém, encontrou resistência dentro do próprio governo, e uma dessas pessoas teria sido Esper, conforme a versão que ele conta na obra. "Tive que descobrir uma forma de fazer Trump recuar sem criar a bagunça que eu estava tentando evitar", escreveu o ex-secretário de Defesa.

As ressalvas foram além dos bastidores, e ele, em junho, rechaçou publicamente a medida. Segundo o livro "Frankly, We Did Win this Election: The Inside Story of how Trump Lost" (francamente, ganhamos esta eleição: os bastidores da derrota de Trump), publicado em 2021 pelo repórter do Wall Street Journal Michael Bender, o movimento foi seguido também pelo então chefe do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley, que teria tido uma discussão com o republicano contra o uso das Forças Armadas.

O posicionamento custou caro a Esper: poucos dias após ser derrotado nas eleições, Trump o demitiu. A decisão, aponta a imprensa americana, fazia parte da estratégia de se cercar de pessoas leais e dispostas a confrontar a vitória do democrata Joe Biden.

O fato de Esper ter tornado público o diálogo com o ex-presidente apenas dias antes da publicação do livro, marcada para o dia 10, foi criticado nesta segunda. O ex-secretário, defendem os críticos, poderia ter divulgado o conteúdo antes mesmo das eleições de 2020, o que talvez influenciaria a opinião pública sobre Trump.

No que se refere à data do lançamento do livro, por outro lado, a legislação do país determina que ex-funcionários do governo têm de mostrar os relatos originais ao Pentágono antes do lançamento de obras, devido a aspectos de segurança nacional. A burocracia por parte do governo americano foi, inclusive, alvo de um processo iniciado por Esper contra o Departamento de Estado, já sob a gestão Biden.

Segundo o ex-secretário, o processo de revisão foi demorado e conduzido de forma errônea, afetando sua liberdade de expressão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos