Trump lança livro de campanha sobre EUA 'deficiente'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O pré-candidato republicano na disputa pela Casa Branca em 2016 Donald Trump segura um exemplar do seu livro, em Nova York, no dia 3 de novembro de 2015
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O pré-candidato republicano na disputa pela Casa Branca em 2016 Donald Trump lançou um livro, nesta terça-feira, no qual critica os males de um país doente e retoma os temas que vem abordando nesta campanha eleitoral, com sua retórica peculiar.

O livro "Crippled America: How to Make America Great Again" (em tradução livre "Estados Unidos deficiente: como devolver a grandeza aos Estados Unidos") chega às lojas no momento em que o milionário disputa cabeça a cabeça a liderança nas pesquisas de intenção de voto com o neurocirurgião aposentado Ben Carson.

Na capa do livro, de cerca de 200 páginas, Trump aparece com a testa franzida e um "olhar irritado e mau", escolhido pelo próprio para "encarnar a raiva e a tristeza" com a situação do país.

Ao longo de 17 capítulos, Trump trata de suas obsessões habituais, como "O seguro de saúde deixa todos doentes", ou "O direito de portar armas". O texto sempre destaca sua capacidade empresarial.

No prefácio, intitulado "Devem acreditar", não pede desculpas por suas polêmicas declarações sobre os mexicanos, os quais classificou, no início da campanha, como estupradores e traficantes de drogas. Agora, acrescenta que a imigração clandestina priva os americanos de trabalho.

Ele defende ainda sua vontade de construir um muro ao longo de toda a fronteira com o México e explica que se inspirou no muro que separa Israel da Cisjordânia - "muito eficaz para deter o terrorismo", alega Trump.

No capítulo dedicado à Política Externa, diz que o mundo se encontra em uma "terrível desordem" e parafraseia o lutador de boxe Mike Tyson: "Todos têm um plano até receber um soco na boca". Sem explicar como, o pré-candidato promete que vencerá o grupo Estado Islâmico, cujas forças, segundo ele, "não são suficientes para encher o estádio dos Yankees", em Nova York.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos