Trump passará 5º fim de semana em clube particular na Flórida

Miami, 17 mar (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegou na tarde desta sexta-feira em Palm Beach para passar o fim de semana na mansão de seu clube particular Mar-a-Lago, na Flórida, batizada pelo republicano de "Casa Branca de inverno".

Trump pousou no Aeroporto Internacional de Palm Beach às 18h44 locais (19h44 em Brasília), acompanhado de sua esposa, Melania, e do filho do casal, Baron. Na escala da aeronave, Trump acenou para um grupo de eleitores que estavam perto da pista. O secretário de Comércio, Wilbur Ross, também viajou com o presidente.

Será o quinto fim de semana que o presidente passará no sul da Flórida desde que assumiu a presidência no dia 20 de janeiro. Espera-se desta vez que Trump fizesse uso do heliporto construído no oeste de Mar-a-Lago para evitar ir do aeroporto ao local de carro.

No entanto, apesar da plataforma estar pronta para receber o helicóptero presidencial, a comitiva foi até a "Casa Branca de inverno" em um comboio, como nas outras ocasiões.

Assim como na visita anterior, o comboio fez uma breve parada em Palm Beach, e o presidente cumprimentou alguns americanos que estavam nos dois lados da avenida que liga o aeroporto ao clube particular.

Apesar da agenda do presidente no fim de semana ainda não ter sido divulgada, Trump antecipou hoje que terá durante a noite uma reunião com empresários, entre eles o presidente da Marvel, Ike Perlmutter, e alguns médicos para abordar o atendimento de saúde aos veteranos de guerra.

A Casa Branca confirmou que no sábado o vice-presidente, Mike Pence, também estará em Palm Beach.

As visitas de Trump ao sul da Flórida seguem onerando os cofres públicos para o pagamento de horas extras aos membros das forças de segurança que protegem o presidente. As autoridades de Palm Beach esperam que o governo federal ou o próprio Trump possam assumir os custos adicionais de sua presença na região.

A "CNN" informou hoje que o Escritório do Aguazil do Condado de Palm Beach gasta US$ 60 mil em horas extras a cada visita do presidente. A emissora também afirmou que as autoridades preveem a possibilidade de elevar impostos ou fazer cortes no orçamento se não receberem um reembolso do governo federal.

Trump viajou para Flórida depois de receber a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, na Casa Branca. EFE