Trump pede reeleição de Orban nas eleições da Hungria

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, ouve enquanto o então presidente dos EUA, Donald Trump, fala à imprensa antes de uma reunião na Casa Branca em 13 de maio de 2019 (AFP/Brendan Smialowski)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Donald Trump
    Donald Trump
    Empresário e político norte-americano, 45º presidente dos Estados Unidos

O ex-presidente americano Donald Trump manifestou nesta segunda-feira (3) seu apoio ao primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, político de extrema direita acusado de autoritarismo que ele descreve como um "grande líder", a quatro meses das eleições.

Em um comunicado, Trump afirma que o líder húngaro tem seu "total apoio e aprovação" para as eleições de abril, que devem ser acirradas.

Orban "ama seu país de todo o coração e busca a segurança para seu povo", disse Trump em uma declaração altamente elogiosa na qual pede apoio ao premiê.

Segundo Trum, ele fez um "trabalho maravilhoso protegendo a Hungria, contendo a imigração ilegal, criando empregos, comércio, e deve ter permissão para continuar a fazê-lo nas próximas eleições. É um líder forte e respeitado por todos".

O endosso gerou críticas entre os democratas. "Trump está simplesmente dizendo em voz alta o que o Partido Republicano há muito aceitou: preferem a autocracia à democracia liberal", denunciou Ben Rhodes, que foi um alto assessor do ex-presidente Barack Obama, no Twitter.

Quando estava no poder, Trump recebeu Orban na Casa Branca em 2019, apesar de muitos líderes europeus terem criticado o dirigente húngaro por suas posições sobre migrantes e pessoas LGBT.

Orban, por sua vez, lamentou a perda de um "importante apoio internacional" após a saída de Trump da Casa Branca e pediu que não houvesse julgamento pelo ataque ao Capitólio por apoiadores do bilionário republicano.

Orban foi saudado tanto pela ala de Trump do Partido Republicano quanto por líderes europeus de extrema direita, como Marine Le Pen, na França, especialmente por sua recusa em aceitar refugiados.

No cargo desde 2010, Orban enfrentará Peter Marki-Zay, que se descreve como um conservador católico tradicional, que prometeu eliminar as leis homofóbicas se for eleito.

sct/bgs/erl/cjc/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos