Trump reconhece vitória de Biden pela primeira vez mas volta atrás pouco depois

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu pela primeira vez, em publicação no Twitter neste domingo (15), a vitória do democrata Joe Biden na eleição presidencial do último dia 3, mas recuou pouco depois em nova postagem. "Ele ganhou porque a eleição foi fraudada", escreveu Trump, sem citar o nome do rival. Cerca de um hora depois, tuitou que "não concede nada" e que a vitória de Biden só foi reconhecida pela "imprensa de fake news". O Twitter acrescentou às publicações que as alegações de fraude são disputadas. No último dia 7, Biden foi apontado como vencedor da eleição nos EUA, mas Trump, desde então, se recusa a assumir a derrota. O presidente fez discursos e postagens dizendo que ele é o verdadeiro ganhador, e repete que houve fraude nas eleições, sem apresentar provas. Na sexta (13), projeções da CNN e do The New York Times confirmaram os resultados dos dois últimos estados onde a disputa eleitoral era considerada indefinida: Biden venceu na Geórgia e Trump conquistou a Carolina do norte. Assim, o placar nacional projetado pelos dois veículos ficou em 306 votos no Colégio Eleitoral para Biden e 232 para Trump. Por coincidência, o republicano conquistou 306 delegados em 2016, e Hillary Clinton, 232, na projeção feita a partir dos votos populares. Na votação final dos delegados, Trump teve 304 votos, porque dois delegados mudaram de lado na votação do Colégio Eleitoral. Nos EUA, não há um órgão nacional de apuração, e a aclamação do vencedor é feita pelos órgãos de imprensa, a partir de projeções matemáticas feitas durante a contagem dos votos. Durante toda a campanha eleitoral, Trump deu diversas declarações de que ganharia a disputa, e que só perderia a reeleição se houvesse trapaças. O republicano aposta em uma série de processos na Justiça para tentar reverter o resultado da apuração. No entanto, mesmo membros de seu partido reconhecem a vitória de Biden, que teve 5 milhões de votos a mais. Com isso, uma reviravolta no resultado é considerada bastante improvável.