Trump retira projeto de reforma da saúde por falta de apoio no Congresso

Donald Trump no Salão Oval em Washington, DC, no dia 24 de março de 2017

Em uma dura derrota política para seu início de governo, o presidente americano, Donald Trump, retirou nesta sexta-feira o polêmico projeto de reforma do sistema público de saúde, ao constatar que não teria os votos necessários para a sua aprovação.

O secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, informou que Trump fará um discurso à nação no Salão Oval para comentar o revés.

Uma hora antes do horário previsto para a votação no Congresso do projeto de lei que substituiria o sistema Obamacare, o presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, foi à Casa Branca informar Trump que o texto não seria aprovado "e o presidente lhe pediu que retirasse o projeto de lei", disse à AFP um auxiliar do influente legislador.

Ryan dirigiu-se em caráter de urgência à Casa Branca falar pessoalmente com o presidente, embora rapidamente se tenha sabido que ele foi informá-lo de que os esforços de negociação haviam fracassado e que o projeto de reforma não seria aprovado.

O projeto de lei devia ter sido votado na tarde desta quinta-feira, mas diante do evidente racha interno no Partido Republicano, a decisão acabou sendo adiada para esta sexta.

O presidente, que tinha feito da reforma do Obamacare uma de suas mais importantes promessas de campanha, empreendeu esforços de última hora para conseguir unidade partidária e garantir a aprovação do projeto de reforma.

Neste esforço, Trump pôs em jogo sua fama de negociador nato, mas ele fracassou em convencer a ala ultraconservadora republicana a apoiar o projeto.

Trata-se de um grave tropeço político para Trump neste início de mandato, que arranha sua reputação e afeta sua capacidade de negociação com o Congresso.