Trump rompe acordo com Irã sobre política nuclear

Por Aldo GAMBOA
1 / 4
Donald Trump em 8 de maio de 2018

O presidente americano, Donald Trump, anunciou nesta terça-feira (8) a retirada americana do "desastroso" acordo multilateral assinado em 2015 com o Irã sobre seu programa nuclear, e o restabelecimento imediato das sanções econômicas contra Teerã.

Em um pronunciamento dramático na Casa Branca, Trump afirmou que a comunidade internacional não pode "prevenir uma bomba nuclear iraniana sob a estrutura apodrecida deste acordo" e por isso decidiu retirar seu país do tratado.

O acordo, conhecido pelas siglas em inglês JCPOA, foi assinado em 2015 pelo Irã e por Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Rússia e China, e se refere a mecanismos de enriquecimento de urânio para impedir que Teerã desenvolva uma arma nuclear.

No mesmo dia, todos os outros signatários do acordo reafirmaram a intenção de se manter fiéis ao entendimento, mas a retirada americana abre uma interrogação real sobre sua sobrevivência como ferramenta diplomática.

"Estou anunciando hoje que os Estados Unidos vão se retirar do acordo nuclear com o Irã. Em instantes, assinarei o memorando presidencial que restabelece sanções" ao Irã, disse o presidente em uma mensagem televisionada da Casa Branca.

Após sua declaração histórica, Trump sentou-se em uma pequena escrivaninha, onde assinou o documento marcando a ruptura de Washington com o acordo que a comunidade internacional costurou com o Irã durante anos de esforços diplomáticos continuados.

- Voltam sanções ao Irã -

"Implementaremos sanções econômicas no mais alto nível. Qualquer nação que ajudar o Irã em sua busca por armas nucleares também será sancionada fortemente pelos Estados Unidos. Não seremos reféns de uma chantagem nuclear", afirmou Trump.

John Bolton, o 'falcão' no cargo de assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, destacou que as sanções que haviam sido suspensas pela assinatura do acordo de 2015 foram restabelecidas com efeito imediato e advertiu para a possível adoção de medidas adicionais.

O secretário de Estado, Mike Pompeo, afirmou que embora Washington concorde com seus aliados na necessidade de impedir o acesso do Irã a uma arma atômica, o governo americano tem interesses que vão além do acordo nuclear.

"Nosso esforço é mais amplo do que apenas o acordo nuclear", afirmou, mencionando a "eliminação da ameaça do programa balístico" iraniano, interrupção de suas "atividades terroristas" e o "bloqueio de suas atitudes ameaçadoras no Oriente Médio".

Por isso, acrescentou o chefe da diplomacia americana, "as sanções estão em pleno efeito" para lembrar ao governo de Teerã "os resultados de sua atividade irresponsável e maligna".

A decisão de Trump foi adotada apesar dos apelos reiterados a não deixar o acordo, feitos por aliados firmes, como França, Alemanha ou Reino Unido, que são signatários do tratado.

Instantes depois, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, fez um apelo urgente a todos os outros signatários do acordo para que reafirmem suas obrigações.

Em nota oficial, Guterres afirmou estar "profundamente preocupado" e pediu "aos outros participantes do JCPOA que mantenham plenamente seus respectivos compromissos".

- Fissuras evidentes -

O gesto do presidente americano abre uma fissura evidente em sua aliança com países europeus e as outras potências nucleares sobre a continuidade do acordo com o Irã.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, lamentou a decisão americana e disse que o bloco europeu está "determinado a preservar" o acordo.

Em uma mensagem postada no Twitter, o presidente francês, Emmanuel Macron, destacou que "França, Alemanha e Reino Unido lamentam a decisão americana" e acrescentou que estes três países vão trabalhar "coletivamente" a favor de um acordo "mais amplo".

Em seguida, estes três governos emitiram uma nota conjunta, na qual apontaram que "permanecem comprometidos em assegurar que o acordo seja respeitado".

O governo da Rússia, por sua vez, destacou em nota oficial que está "profundamente decepcionado" com a decisão americana, que "pisoteia grosseiramente as normas da legislação internacional".

O presidente iraniano, Hassan Rohani, por sua vez, afirmou em mensagem transmitida pela TV que seu país está disposto a negociar com Europa, Rússia e China formas de garantir os interesses iranianos.

"Dei instruções à Organização Iraniana de Energia Atômica que tome as medidas requeridas para futuras ações de forma que, caso seja necessário, possamos retomar o enriquecimento industrial (de urânio) sem limites", disse.

No entanto, acrescentou que para isto "esperaremos algumas semanas antes de aplicar esta decisão".

Em contrapartida, o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, disse em mensagem televisionada que seu governo apoia totalmente o gesto corajoso de Trump.

Netanyahu lembrou ter se oposto ao acordo "desde o começo" porque "não só este acordo não bloqueia a via do Irã para a bomba, mas abre caminho para um arsenal completo de armas nucleares e isto em alguns anos".

- "Erro monumental" -

No campo doméstico, até o habitualmente discreto ex-presidente Barack Obama rompeu seu silêncio para afirmar, em nota oficial, que a decisão de Trump foi "equivocada".

"A realidade é clara: o JCPOA está funcionando", afirmou o ex-presidente.

Para o ex-secretário de Estado John Kerry, principal negociador do acordo, a decisão de Trump "fragiliza nossa segurança, rompe a palavra dos Estados Unidos, isola nossos aliados europeus, põe Israel em maior risco, dá poder à 'linha dura' iraniana (...) e fragiliza a capacidade do governo de fazer acordos internacionais".

Para Kerry, a extensão do dano provocado pela decisão desta terça-feira dependerá "do que a Europa possa fazer para manter o acordo de pé e das reações do Irã".

O diplomata Tony Blinken, que foi vice-secretário de Estado quando o acordo foi assinado, em 2015, disse que a retirada de Washington foi um "erro monumental".

Além disso, apontou Blinken, o gesto de Trump outorgou aos defensores de uma 'linha dura' no governo do Irã um argumento para retomar suas tentativas de conseguir uma arma nuclear.

Wendy Sherman, outra ex-negociadora americana, disse à imprensa que Trump colocou a estabilidade internacional em risco "unicamente por questões políticas domésticas".

"Esta é uma crise que o próprio Trump precipitou para responder à sua base, para cumprir uma promessa de campanha, sem ter sequer uma ideia de que é ter um plano B", avaliou.