De volta a Washington, Trump flerta com ideia de buscar novo mandato em 2024

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump voltou a Washington, nesta terça-feira (26), pela primeira vez desde sua controversa saída da Casa Branca em 2021, e fez um discurso de candidato em campanha, flertando com a possibilidade de buscar um novo mandato.

Convidado pelo America First Policy Institute, um painel de especialistas administrado por seus aliados, o bilionário de 76 anos apresentou um plano de ação para o "próximo presidente republicano".

Por mais de uma hora e meia, Trump voltou a abordar seus temas favoritos, em particular a luta contra a imigração e o crime, enquanto continuava a atacar seu sucessor, Joe Biden, a quem ele acusa de ter "colocado os Estados Unidos de joelhos".

Depois de ter pintado um país apocalíptico, Trump declarou: "A história está longe de terminar e estamos nos preparando para um retorno incrível, não temos escolha".

Em janeiro de 2021, o ex-magnata do setor imobiliário deixou o poder duas semanas após centenas de seus apoiadores invadirem violentamente o Capitólio.

Desde então, o ex-presidente não retornou à capital federal e foi alvo de uma investigação parlamentar encarregada de esclarecer seu papel no ataque à sede da democracia americana.

A comissão organizou uma série de audiências públicas que revelaram o enredo do ataque e as tentativas do ex-presidente de reverter os resultados das eleições para permanecer no poder.

"É tudo uma armação", criticou Trump nesta terça-feira, ao afirmar que a comissão é composta por "piratas políticos e bandidos".

"Eles realmente querem me machucar para que eu não possa trabalhar para vocês de novo, mas eu não acho que isso vá acontecer", acrescentou com uma risada.

"Mais quatro anos!", gritaram em resposta os apoiadores do ex-presidente que assistiam ao discurso.

- Candidato pela terceira vez -

Coincidentemente, Mike Pence, que foi vice-presidente de Trump, também estava de visita nesta terça-feira a Washington, onde ressaltou as diferenças ideológicas com o magnata durante um discurso para jovens conservadores.

"Não concordamos nas prioridades", declarou Pence ao apresentar um programa focado na luta contra o aborto, na proteção do direito ao porte de armas e na liberdade religiosa.

"É absolutamente essencial, em um momento em que tantas famílias americanas estão sofrendo, que não cedamos à tentação de olhar para trás", disse Pence, um cristão conservador.

O ex-número dois da Casa Branca, que também tem ambições presidenciais, classificou o ataque ao Capitólio de 6 de janeiro de 2021 como "um dia trágico".

Trump nunca aceitou a derrota e acusa, sem provas, "fraudes eleitorais em massa" e "uma eleição roubada".

Contudo, o ex-presidente não abordou o tema nesta terça-feira. "Sempre digo que fui candidato uma primeira vez e ganhei, e que fui candidato uma segunda vez e fui muito melhor", declarou.

"Talvez tenhamos que fazer isso novamente", completou.

- Críticas -

Trump, de 76 anos, mantém um lugar central nas fileiras republicanas com um núcleo de apoiadores leais, o que o colocaria na primeira posição, caso decida se candidatar à presidência.

As críticas afetaram sua imagem, porém, permitindo que adversários como o governador da Flórida, Ron DeSantis, ganhassem terreno.

Cerca de metade dos eleitores republicanos que votam nas primárias prefeririam outro candidato a Trump, de acordo com uma pesquisa recente do jornal The New York Times e da Siena College.

Na semana passada, Wall Street Journal e New York Post, de propriedade da influente família Murdoch, publicaram editoriais criticando o comportamento de Trump em 6 de janeiro de 2021.

Em um texto incomumente crítico, o New York Post afirmou que o bilionário se mostrou "indigno" de voltar à Casa Branca.

Apesar de tudo, seu discurso nesta terça-feira teve repercussões. "Me chamem de antiquado, mas não acho que incitar uma multidão a atacar policiais seja 'respeitar a lei'", tuitou Biden.

"Você não pode ser pró-insurreição e pró-polícia, nem pró-democracia ou pró-americano", acrescentou o presidente, que pode buscar a reeleição em 2024.

sms/led/dax/dth/atm/yow/tt/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos