Trumpista Lake perde disputa acirrada pelo governo do Arizona em eleições nos EUA

Por Julia Harte

(Reuters) - Kari Lake, uma das candidatas republicanas de maior destaque nas eleições de meio de mandato nos EUA a abraçar as falsas alegações de fraude eleitoral do ex-presidente Donald Trump em 2020, perdeu a disputa pelo governo do Estado do Arizona, projetou a Edison Research nesta segunda-feira.

A corrida acirrada entre Lake e a democrata Katie Hobbs para o governo do Arizona foi uma das mais significativas nas eleições gerais porque o Estado estava dividido e deverá desempenhar um papel fundamental nas eleições presidenciais norte-americanas de 2024.

A derrota de Lake é a mais recente de uma série de perdas de candidatos endossados por Trump, que nesta terça-feira deve anunciar sua candidatura à Casa Branca.

Lake tinha prometido proibir a votação por correio no Estado, que teóricos da conspiração falsamente alegam ser vulnerável a fraudes, alimentando a desconfiança entre eleitores sobre a segurança de um método de votação usado por centenas de milhares de norte-americanos.

Sua derrota sela uma semana de triunfo dos democratas, que frustraram as esperanças dos republicanos de uma "onda vermelha" nas eleições de meio de mandato.

Os democratas mantiveram o controle do Senado dos EUA depois de manterem assentos nos estados pêndulos ​​do Arizona e Nevada, com a vice-presidente Kamala Harris segurando o voto de desempate.

O partido pode ganhar o controle da maioria absoluta se o senador democrata Raphael Warnock derrotar o desafiante republicano Herschel Walker no segundo turno da Geórgia em 6 de dezembro, reforçando a influência democrata sobre comitês e projetos de lei.

As vitórias democratas em uma série de eleições para governadores, congressistas e estaduais desafiaram as expectativas de que os eleitores os puniriam por uma inflação recorde, incluindo altos preços de gasolina e alimentos. Em vez disso, os democratas conseguiram conter suas perdas, em parte mobilizando eleitores irritados com a decisão da Suprema Corte dos EUA de derrubar o direito constitucional ao aborto.

Ainda assim, os republicanos continuaram avançando em direção ao controle da Câmara dos Deputados. Na segunda-feira, os republicanos haviam conquistado 214 assentos e os democratas 207, com 218 necessários para a maioria. O controle da Câmara permitiria aos republicanos barrar a agenda legislativa do presidente Joe Biden.

Pode levar vários dias até que o resultado completo da Câmara seja conhecido para determinar qual partido controlará a câmara de 435 assentos.