TSE confirma liminar que proíbe Bolsonaro usar imagens de funeral da rainha Elizabeth e discurso na ONU

Bolsonaro discursa na ONU

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmaram nesta quinta-feira por unanimidade uma decisão liminar que havia proibido o uso de imagens na campanha do presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), das visitas oficiais no funeral da rainha Elizabeth, em Londres, e na Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), em Nova York.

Essa foi uma das dez liminares que foram referendadas durante a sessão do plenário do TSE desta manhã, segundo o tribunal.

No julgamento sobre as viagens internacionais de Bolsonaro, os ministros do tribunal entenderam que agentes públicos que são candidatos à reeleição não podem usar as prerrogativas do cargo para se beneficiar.

Em outro processo, o TSE confirmou a decisão liminar de exclusão de um vídeo do canal do PL, partido de Bolsonaro, no Youtube em que haveria uma associação à imagem de Lula como inimigo do povo.

O TSE confirmou ainda oito liminares do ministro Paulo de Tarso Sanseverino. Numa delas, foi ordenado que redes sociais excluísse publicações do deputado federal André Janones (Avante) por vídeo em que associava Bolsonaro indevidamente à suspensão da lei do piso nacional de enfermagem.

Contudo, essa suspensão decorreu de decisão do Supremo Tribunal Federal.