TSE faz acordo com lideranças religiosas em meio a ataques de Malafaia

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  12-05-2022 - O ministro Edson Fachin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 12-05-2022 - O ministro Edson Fachin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Sob ataques do pastor Silas Malafaia, aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) assinou, nesta segunda-feira (6), termo de cooperação sobre combate a fake news com entidades e representantes de diversas religiões.

O documento prevê que as lideranças religiosas promovam a "exclusão da violência durante as pregações, sermões e homilias, ou ainda em declarações públicas ou publicações que venham a fazer", segundo nota divulgada pela corte.

Horas antes do evento, Malafaia publicou vídeo nas redes sociais chamando o presidente do tribunal, Edson Fachin, de "esquerdopata de carteirinha" e cobrou boicote ao acordo.

No vídeo, o pastor afirma que a liderança religiosa que assinar o documento é alienada, está "por fora dos fatos" ou é "esquerdopata". "Líder religioso que sabe das coisas não vai cair nesse jogo", disse Malafaia.

A ideia do TSE é reduzir a resistência ao sistema de voto para as eleições deste ano, no momento em que o presidente Bolsonaro realiza ataques às urnas eletrônicas e faz ameaças golpistas.

As entidades, porém, não se comprometeram a apoiar a posição do tribunal em defesa das urnas eletrônicas.

Na semana passada, o pastor Eduardo Bravo, presidente da Unigrejas, disse que a entidade participaria do evento e assinaria o documento, o que não aconteceu.

Procurado nesta segunda (6), Bravo não se manifestou.

O deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), presidente da bancada evangélica, foi convidado para a cerimônia, mas disse à reportagem que não participou por razões pessoais. Ele é aliado de Malafaia.

Segundo o TSE, assinaram o documento 15 entidades ou representantes de grupos de religiões de matriz africana, budista, católicos, espíritas, evangélicos, israelitas e muçulmanos.

O desembargador William Douglas, do TRF (Tribunal Regional Federal) da 2ª Região também está entre os signatários do termo de cooperação.

Douglas era um dos nomes avaliados por Bolsonaro para preencher a vaga de "terrivelmente evangélico" no Supremo, que ficou com o ministro André Mendonça.

"Democracia, ordem jurídica e religião partilham, para além do caráter necessário e vital, o fato de que pressupõem, em conexão com a busca incessante por justiça, a consolidação de um estado firme e indeclinável de aceitação e respeito", disse Fachin durante o evento.

O presidente do tribunal disse que a proposta é defender a "natureza pacífica das eleições".

Fachin também declarou que a Justiça Eleitoral enfrenta "dificuldades inusuais".

"Como decorrência da crescente intolerância, do progressivo esgarçamento de laços e, sobretudo, do evidente processo de degradação de valores decorrente da expansão irrefreada do fenômeno da desinformação", disse o magistrado.

Bolsonaro tem usado eventos com lideranças religiosas para levantar dúvidas sobre as eleições e atacar adversários.

"Foi um fiasco. Uma das maiores religiões do país não tem os representantes legais. Ele [Fachin] fez isso com interesses políticos para isolar o presidente", afirmou Malafaia à reportagem

Presidente da Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos), Edna Zilli disse que o documento do TSE apresenta valores "caros" às religiões cristãs. Afirmou ainda que a iniciativa pode fortalecer a democracia brasileira.

O secretário-geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Dom João Portella Amado disse que o trabalho do TSE é "condição indispensável para a democracia".

Já Mãe Nilce Naira, coordenadora da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde, disse que culturas de raiz africana têm sido atacadas "pelas mãos da intolerância e do preconceito" ao defender o pacto com o tribunal.

Abaixo, a lista de signatários do termo de cooperação com o TSE, segundo nota do tribunal:

Religiões Afro-Brasileiras:

Babalorixá Márcio de Jagun, fundador do Instituto Orí;

Mãe Nilce Naira, coordenadora da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde;

Budistas:

Monge Keizo Doi, monge regente do Templo Shin Budista Terra Pura;

Católicos:

Frei David Raimundo Santos, fundador da ONG Educafro;

Dom Joel Portella Amado, secretário-geral da CNBB

Espíritas:

Hélio Ribeiro, vice-presidente da Ajebrasil (Associação Jurídico-Espírita do Brasil);

Evangélicos:

Pastor Aaron Freitas, presidente Assembleia de Deus do Ministério Internacional do Guará;

Augusto Ventura, presidente da Associação Educativa Evangélica e chanceler da Universidade Evangélica de Goiás

Edna Zilli, presidente da Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos);

Jonas Moreno, diretor-jurídico da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil;

Stéfanne Amorim Ortelan, encarregada de política de proteção de dados da Aneasd (Associação Nacional de Entidades Adventistas do Sétimo Dia);

Thiago Crucitti, diretor-executivo da ONG Visão Mundial, e Welinton Pereira da Silva, diretor de relações institucionais da mesma instituição;

Israelistas:

Daniel Bialski, primeiro vice-presidente da Conib (Confederação Israelita do Brasil);

Muçulmanos

Girrad Mahmoud Sammour, presidente da Anaji (Associação Nacional de Juristas Islâmicos);

Escritores:

Desembargador federal do TRF 2ª William Douglas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos