TSE marca para dia 17 depoimento de João Santana e Mônica Moura em ação contra chapa Dilma-Temer

BRASÍLIA (Reuters) - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) marcou para o dia 17 de abril o depoimento do marqueteiro João Santana, da mulher dele, Mônica Moura, e do funcionário do casal, André Santana, na ação que investiga se a chapa Dilma-Temer cometeu abuso de poder político e econômico nas eleições presidenciais de 2014.

O depoimento do trio, que havia sido sugerido pelo Ministério Público Eleitoral, estão marcados para às 9h do dia 17 no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da Bahia. O relator do processo, ministro Herman Benjamin, ainda não decidiu se vai acompanhar pessoalmente ou por meio de videoconferência.

Na noite de quinta, na mesma ação, foi ouvido no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, arrolado como testemunha de defesa da ex-presidente Dilma Rousseff.

Os quatro depoimentos foram marcados na última terça-feira pelo TSE, quando os ministros da corte adiaram o início do julgamento da chapa, decidiram reabrir a fase de instrução do processo e conceder, ao final dela, mais cinco dias de prazo para as partes apresentarem suas alegações finais.

A ação movida pelo PSDB pouco depois de o senador Aécio Neves (PSDB-MG) ter sido derrotado na corrida ao Palácio do Planalto pode levar à cassação do mandato do atual presidente Michel Temer e da perda da condição de disputar a um novo cargo eletivo de Dilma, que sofreu um processo de impeachment no ano passado.

(Reportagem de Ricardo Brito)