TSE pode proibir porte de armas nos dias das eleições

Uma das possibilidades estudada pelo grupo é a restrição do porte de armas de fogo no dia da eleição (Foto: Getty Images)
Uma das possibilidades estudada pelo grupo é a restrição do porte de armas de fogo no dia da eleição (Foto: Getty Images)

O Tribunal Superior Eleitoral vai criar um núcleo de inteligente, junto a PolíciaMilitar, para avaliar a segurança o dia das eleições. Uma das possibilidades é a restrição das armas de fogo. As informações são da CNN Brasil.

O presidente do TSE, Alexandre de Moraes, se reuniu com comandantes da PM nesta quarta-feira (24). Em seguida, o Tribunal divulgou que vai reunir três membros indicados pelo Conselho Nacional de Comandantes Gerais e três indicados pelo próprio TSE.

O grupo vai analisar informações sobre segurança no dia da eleição, como o porte de armas, a segurança de mesários e a proibição do uso de celulares na hora de votar.

A ata do encontro foi divulgada pelo TSE. Foi assinado um termo de cooperação, em que policiais se comprometem a ajudar no combate contra notícias falsas, material produzido pela justiça eleitoral.

O documento descreve que haverá “coordenação e centralização de informações de todas as corporações e elaboração de relatórios, bem assim para a divulgação e distribuição de diretrizes e peças informativas produzidas pelo TSE”.

Pautas da reunião

Na reunião, Alexandre de Moraes debateu com comandantes a possibilidade de restringir o porte de armas, além do transporte de armas e o treinamento de CACs no dia da eleição.

Outra pauta foi a fiscalização sobre o uso de celulares no momento do voto. Esse é um dos focos para evitar a disseminação das fake news.

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)