TSE suspende propaganda de Haddad em que candidato petista é apoiado por Lula

Candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, deixa Polícia Federal em Curitiba, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso desde abril 17/09/2018 REUTERS/Rodolfo Buhrer

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Sérgio Banhos decidiu nesta segunda-feira suspender propaganda eleitoral em que a coligação presidencial liderada pelo PT mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apoiando o candidato a presidente Fernando Haddad, que o substituiu na cabeça de chapa.

Banhos atendeu a pedido liminar da coligação do candidato a presidente pelo PSL, Jair Bolsonaro, ao argumentar que a coligação liderada por Haddad usou na peça que foi ao ar no dia 13 de setembro mais do que os 25 por cento do tempo do programa reservado a apoiadores, como é o caso de Lula.

"Ocorre, todavia, que, em desrespeito à legislação eleitoral, quase 50 por cento do tempo da propaganda eleitoral restou dedicado à leitura, por terceiros, dos termos da referida carta de apoio, intitulada 'Carta de Lula ao Povo Brasileiro'", disse o ministro do TSE, na decisão.

A chapa de Bolsonaro alegou ao tribunal que a propaganda do PT tem por objetivo transmitir a falsa informação de que Lula iria concorrer ao pleito de 2018, criando estados mentais para confundir o eleitor.

Segundo uma fonte da campanha de Haddad, a propaganda em questão não seria mesmo mais reprisada.

(Reportagem de Ricardo Brito)