'Tu é meio escurinho. Ah, isso é crime', ironiza Bolsonaro a apresentador negro

Brazil's President Jair Bolsonaro reacts during a ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil July 6, 2022. REUTERS/Adriano Machado
Brazil's President Jair Bolsonaro reacts during a ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil July 6, 2022. REUTERS/Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a dar declarações racistas na noite desta segunda-feira (12), ao se referir a um dos apresentadores, que é negro, durante entrevista a um podcast transmitido simultaneamente por seis canais no YouTube ligados ao público evangélico.

"Você é afrodescendente?", questionou Bolsonaro. "Eu sou", respondeu o apresentador Fernando Vilela.

"Tu é meio escurinho. Ah, isso é crime", retrucou Bolsonaro, em tom de ironia. "Não ouviu falar que eu era racista, não?", completou ele durante a participação do pool dos podcasts Dunamis, Hub, Felipe Vilela, Positivamente, Luma Elpidio e Luciano Subirá.

Antes disso, o candidato à reeleição à presidência, já tinha se referido ao mesmo apresentador como "gordinho".

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Em seguida, Jair Bolsonaro também fez "piada" com o apresentador Teófilo Hayashi, chamando-o de "japa".

Bolsonaro já se envolveu outras vezes em polêmicas com falas de cunho racista.

Na saída do Palácio do Alvorada, em Brasília, em maio de 2021, o presidente disse ter visto uma barata no cabelo crespo de um rapaz que tentava tirar uma foto sua.

Em julho do mesmo ano, Bolsonaro chegou a comparar o cabelo crespo de um apoiador que o acompanhava, também no Alvorada, a um "criador de baratas" e perguntou quantas vezes por mês o rapaz o lavava.

No entanto, o apoiador, por sua vez, demonstrou não se importar com as falas do presidente. Pelas imagens, não é possível cravar ser o mesmo seguidor que o acompanhou dois meses antes.

Já em maio deste ano, o mandatário perguntou se um apoiador negro "pesava mais de 7 arrobas". Na época, o presidente disse se tratar de uma ironia por já ter sido processado pelo uso dos mesmos termos.