Tudo o que se sabe sobre o assassinato do guarda municipal petista morto em Foz do Iguaçu

No último fim de semana, o guarda municipal e tesoureiro do (PT) Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, morreu após ser baleado durante sua festa de aniversário em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O atirador, identificado como José da Rocha Guaranho, policial federal e apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), que também foi ferido pelo guarda municipal durante a troca de tiros, está sob custódia da polícia no hospital com quadro de saúde estável.

Sonar: Delegada que investigava morte de militante em Foz do Iguaçu fez posts anti-PT nas redes

Saiba mais: Polícia Civil do PR designa nova delegada para investigar assassinato de guarda municipal petista por agente penal bolsonarista

Segundo informações da Polícia Civil do Paraná, uma música relacionada a Bolsonaro, que estaria tocando no carro do agente penal José da Rocha Guaranho, perto de onde o petista comemorava seus 50 anos, pode ter motivado a discussão entre eles.

Discussão e troca de tiros entre Guaranho e Arruda

Durante a celebração que tinha como tema o Partido dos Trabalhadores (PT) e o ex-presidente Lula (PT) estava sendo realizada na Associação Esportiva Saúde Física Itaipu, na Vila A. De acordo com relatos de testemunhas e registro de câmera de segurança, José Guaranho apareceu no local da festa pela primeira vez por volta das 23 horas. Ele estava de carro, acompanhado de uma mulher e um bebê. O policial penal, então, de dentro do veículo, teria apontado sua arma para fora enquanto gritava “ aqui é bolsonaro!” e ameaçava o aniversariante e seus convidados.

Pamela Silva, a mulher que acompanhava Guaranho, segundo relatos, teria pedido para ele parar e ir embora. Depois disso, o atirador chegou a dizer que voltaria e mataria "todos vocês, seus desgraçados". Ela tentou impedir os tiros, mas não conseguiu. As imagens feitas por uma câmera externa mostram o momento em que Guaranho discute com o tesoureiro do PT.

Reviravolta da polícia

A Secretária de Segurança Pública do Paraná informou, no fim da tarde de domingo, que Jorge Guaranho, também ferido com a troca de tiros, recebeu atendimento médico e que estava internado em estado grave, mas estável. Horas antes, a Polícia Civil do Estado divulgou que o agente penitenciário havia morrido, mas pouco depois voltou atrás.

A delegada que investigava o caso, Iane Cardoso, não é a mais a titular da investigação. A chefia do caso agora ficou a cargo de Camila Cecconello, chefe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de acordo com a Secretaria da Segurança Pública do Paraná (SESP). Nas redes sociais de Iane Cardoso foram encontradas postagens antigas anti-PT. Com isso, o Partido dos Trabalhadores chegou a informar que as publicações serão usadas para embasar o pedido da sigla para que as investigações passem para a Polícia Federal.

Repercussão

Durante o final de semana, políticos e autoridades usaram as redes sociais para comentar o assassinato do guarda municipal. Jair Bolsonaro (PL) disse que "Independente das apurações, republico essa mensagem de 2018: dispensamos qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores”. e completou “a esse tipo de gente, peço que por coerência mude de lado e apoie a esquerda, que acumula um histórico inegável de episódios violentos. É o lado de lá que dá facada, que cospe, que destrói patrimônio, que solta rojão em cinegrafista, que protege terroristas internacionais, que desumaniza pessoas com rótulos e pede fogo nelas, que invade fazendas e mata animais, que empurra um senhor num caminhão em movimento”.

Já o presidente Lula (PT) disse: “uma pessoa, por intolerância, ameaçou e depois atirou nele, que se defendeu e evitou uma tragédia ainda maior. Pelos relatos que tenho, ele não ouviu os apelos de sua família para que seguisse com a sua vida. Precisamos de democracia, diálogo, tolerância e paz”. Ciro Gomes (PDT) afirmou que “é triste, muito triste, a tragédia humana e política…O ódio político precisa ser contido para evitar que tenhamos uma tragédia de proporções gigantescas”. Outros políticos como Simone Tebet (MDB), André Janones (Avante), e outros pré-candidatos à Presidência da República falaram sobre o crime.

O corpo do guarda municipal petista Marcelo Aloizio de Arruda, assassinado durante a sua festa de aniversário, será enterrado nesta segunda-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos