'Tudo parado', diz Alcolumbre sobre sabatina de Mendonça na CCJ

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou nesta terça-feira que está "tudo parado" ao ser questionado sobre a indicação do ex-advogado-geral da União André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF). Alcolumbre resiste desde agosto em marcar a sabatina do indicado do presidente Jair Bolsonaro ao Supremo. O processo já é o mais longo entre todos os ministros que ocupam uma cadeira na Corte.

— Tudo parado, tudo parado — disse o presidente da principal comissão da Casa a jornalistas, ao ser questionado sobre a situação da sabatina.

Para tentar solucionar o impasse na CCJ, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) marcou uma semana de esforço concentrado, entre 30 de novembro e 2 de dezembro, para análise de todas as sabatinas pendentes, citando especificamente a indicação ao STF como uma delas. O senador amapaense, no entanto, ainda evita se comprometer com a indicação de Mendonça ao Supremo.

Alcolumbre falou brevemente com a imprensa antes da sessão da CCJ realizada nesta terça-feira. O primeiro encontro da comissão, após mais de um mês sem qualquer atividade, durou apenas cerca de dez minutos, e foi destinado para a votação de emendas ao projeto da Lei Orçamentária Anual (PLOA). Os parlamentares não debateram as próximas sabatinas abertamente durante o encontro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos