Tudo que você sempre quis saber sobre os gases vaginais

Embora sejam motivo de vergonha para muitas mulheres, os gases vaginais são perfeitamente normais. [Foto: Tirachard Kumtanom via Pexels]

Gases vaginais, flatos vaginais, “puns” vaginais…

Eles estão entre os maiores pesadelos das mulheres. Seja durante uma sessão particularmente enérgica de sexo ou ao tentar fazer uma posição diferente de ioga, é bem possível que sua vagina já tenha soltado um pequeno pfft de ar, que faz com que pensem que você comeu repolho demais no jantar.

E você quer morrer de vergonha.

No entanto, os gases vaginais podem acontecer com qualquer pessoa que tenha uma vagina, e são completamente normais. Você não acredita? Conversamos com uma especialista para nos ajudar a tirar todas as dúvidas sobre o assunto.

Para começar, os flatos vaginais não têm nada a ver com “soltar puns”…

Os gases vaginais não têm relação com os gases intestinais

Embora possam produzir sons estranhamente familiares, os gases vaginais não têm nada a ver com os intestinais. A principal diferença? O flato vaginal não tem cheiro!!

Os “puns” que todos nós conhecemos, são resultado das bactérias se decompondo e sendo liberadas como gases, durante o processo de digestão. As versões vaginais, por outro lado, são resultado do ar saindo da região íntima, por meio de uma explosão repentina e inesperada.

“Os gases vaginais ocorrem quando o ar é deslocado ou forçado para a fora da vagina,” explica Annabelle Knight, especialista em sexo e relacionamentos.

“As paredes da vagina se tocam – este fato, combinado com a lubrificação vaginal, forma uma espécie de vácuo, que incentiva o ar a entrar na vagina”.

Quando os gases vaginais acontecem?

Embora tecnicamente eles possam ocorrer a qualquer momento, há algumas situações específicas em que a possibilidade de ouvir aquele som característico aumenta.

“A maioria das mulheres nota que os gases vaginais ocorrem durante a relação sexual ou sessões de exercícios, como ioga e pilates,” diz Annabelle Knight.

De acordo com os especialistas, isso acontece porque o ar é expulso mais facilmente durante estas atividades.

“Os gases são especialmente comuns durante o sexo porque os dedos, o pênis ou brinquedos sexuais podem empurrar o ar para dentro da vagina,” disse a Dra. Vanessa Cullins, vice-presidente de assuntos médicos externos da Planned Parenthood, à revista Cosmopolitan.

“A sua vagina também se expande quando você está excitada, o que cria um espaço maior para o ar. Além disso, a lubrificação vaginal, que aumenta durante o sexo, ajuda a produzir aquele som característico”.

Gases vaginais durante o sexo: motivo de vergonha? [Foto: Tirachard Kumtanom via Pexels]

O que você fazer para se recuperar após um “pum vaginal”?

Não há nada como aquele som embaraçoso para acabar com o clima do momento, mas embora o flato vaginal possa ser um pouco desagradável, ele também pode ajudar a “quebrar o gelo”.

“Pode ser embaraçoso, mas é algo completamente normal, que acontece com todas as mulheres,” assegura Annabelle Knight.

“Na verdade, um ‘pum vaginal’ no momento certo pode ser engraçado e ajudar a aliviar a tensão do momento,” explica Knight. “Apesar disso, se você está realmente tensa por estar na cama com alguém, talvez esta não seja a melhor maneira de deixar tudo mais descontraído”.

Em vez disso, ela recomenda tentar aceitar o fato de isso é algo completamente normal durante as relações sexuais.

“Eu acredito que você tem duas opções: colocar uma música e torcer para que o som de Marvin Gaye cubra o barulho dos gases, ou aceitá-los e não deixar que afetem a sua relação sexual”.

É possível prevenir os gases vaginais?

Infelizmente não há uma maneira que garanta que o ar não escape da sua vagina, exceto talvez evitar atividades como ioga, pilates, alongamento e sexo.

“Como os gases vaginais são uma função natural, não há nada que possamos fazer para evitá-los,” explica Annabelle Knight. “Meu conselho é aceitar o fato de que isso acontece e não deixar que estrague a sua diversão”.

“Uma boa sessão de alongamento antes da relação sexual pode liberar a maior parte do ar para minimizar a probabilidade de que ele escape durante as preliminares. No entanto, após o início da penetração você está de volta à estaca zero”.

Marie Claire Dorking