Túlio Gadêlha diz em áudio que Marília Arraes lhe sugeriu fazer “rachadinha”, revela revista

·4 minuto de leitura
Túlio Gadêlha postou foto ao lado da candidata Marina Arraes (PT), em oposição ao PDT, que apoia João Campos (PSB) (Foto: Reprodução/Instagram)
Túlio Gadêlha postou foto ao lado da candidata Marina Arraes (PT), em oposição ao PDT, que apoia João Campos (PSB) (Foto: Reprodução/Instagram)

Uma matéria veiculada pela revista Veja na noite de segunda-feira tornou ainda mais controverso o apoio do deputado Túlio Gadêlha a Marília Arraes na eleição à prefeitura do Recife. A publicação divulgou áudio obtido com exclusividade no qual o político fala sobre a sugestão de prática de “rachadinha” por parte da candidata do PT.

No áudio, Túlio relata a um terceiro elemento uma conversa que teria tido com Marília. Nela, a candidata teria o aconselhado a embolsar parte dos salários dos servidores de seu gabinete para financiar sua futura campanha eleitoral, sob a prerrogativa de que “todo mundo faz isso”.

Túlio descreve uma conversa com Marília sobre o levantamento de fundo de caixa para e eleição de 2022. A candidata sugere ao deputado “juntar R$ 30 mil da assessoria”, ao que o político do PDT prontamente responde: “Não faço isso, não”.

Leia também

A Veja informou que revelou a existência do áudio à assessoria e à chefia de gabinete de Túlio Gadêlha. Inicialmente, o deputado preferiu não se manifestar sobre o caso. Procurada pela publicação, a assessoria de Marília considerou que “esta é uma questão de Túlio, e não de Marília”.

Nesta terça-feira pela manhã, Túlio usou as redes sociais para divulgar uma nota de esclarecimento sobre o caso, alegando tratar-se de “mais uma fake news” do PSB. O deputado afirma que o partido está “desesperado” e “pensa que é dono da cidade”.

“Quanto ao áudio mencionado, está completamente descontextualizado. Solicitei perícia para comprovar, em tempo, a manipulação da gravação apresentada fora do contexto”, comenta. “Essa divulgação tem a intenção de prejudicar a candidatura de Marília Arraes, à qual hipotequei meu irrestrito apoio e na qual tenho confiança que comandará um processo de mudança e aprimoramento na nossa cidade.”

O apoio de Túlio a Marília causou polêmica desde o anúncio e não foi bem recebido em seu partido, o PDT, que se aliou à candidatura de João Campos, do PSB, adversário da petista. Sem citar nomes, Carlos Lupi, presidente nacional do partido, chegou a dizer que no PDT “não tem espaço para traíra”.

Posteriormente, Túlio Gadêlha afirmou nas redes sociais que seu chefe de gabinete, Rafael Bezerra, teria sido procurado pela campanha do PSB para “negociar” o seu silêncio no segundo turno do Recife, informação negada pelo próprio Rafael, que anunciou que deixaria o posto por conta das declarações.

A troca de acusações entre o deputado e o PSB continuou na manhã desta terça, quando ele, também por meio das redes sociais, afirmou que o partido contratou quatro de seus ex-assessores afastados e exonerados por desvio de conduta moral. “O Recife não é para amadores”, aponta.

Eleições em Recife

Pouco mais de um milhão de recifenses vão às urnas para decidir o segundo turno em uma eleição com detalhe curioso: será decidida entre primos. Os candidatos João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT).

Campos chegou ao segundo turno de uma das votações mais apertadas entre capitais ao fazer 29.17% dos votos válidos. Prestes a completar apenas 27 anos, ele é filho do ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014.

Marília, por sua vez, é neta do também ex-governador Miguel Arraes e prima de Eduardo Campos. Atualmente é deputada federal por Pernambuco e foi, entre 2009 e 2019, vereadora no Recife.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.