Túlio Maravilha diz que não tira o chapéu para o VAR

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Ex-jogador será convidado do quadro do programa de Raul Gil. Foto: Buda Mendes/LatinContent via Getty Images
Ex-jogador será convidado do quadro do programa de Raul Gil. Foto: Buda Mendes/LatinContent via Getty Images

Tão polêmico quanto artilheiro, Túlio Maravilha foi um dos grandes marcadores de gols da história do futebol brasileiro. Autor de um gol irregular na conquista do Brasileiro de 1995, pelo Botafogo, quando estava em posição de impedimento, o ex-jogador parece não gostar da tecnologia para acabar com injustiças em lances duvidosos.

Convidado do programa Raul Gil do próximo sábado, o jogador que diz ter feito mais de 1.000 gols na carreira se mostrou preocupado com tentos que seriam invalidados, e assim, o deixariam mais longe da marca de Pelé.

Leia também:

"Se tivesse o VAR na minha época, quantos gols ele ia anular meu? Ia estar faltando gol. Torcida quer ver gol", declarou Túlio sem tirar o chapéu para os árbitros de vídeo.

Mas não foi só o VAR que entrou na lista de Túlio. No tradicional quadro do programa de auditório, também revelou não gostar de personalidades do futebol como os técnicos Tite e Levir Culpi, os argentinos Lionel Messi e Diego Maradona, e o surfista Gabriel Medina.

No entanto, o ex-atacante tiraria o chapéu para o português Cristiano Ronaldo, craque do Manchester United.

Aos 52 anos, Túlio que jogou até 2019 pelo Taboão da Serra, clube da terceira divisão do futebol paulista, disse que ainda está em forma mesmo após deixar os gramados.

"Eu sou igual vinho, quanto mais velho melhor", finalizou.

Ídolo botafoguense, Túlio passou por outros grandes clubes do futebol nacional como Corinthians, Vitória, Fluminense e Cruzeiro. Fora do país só foi ao futebol suíço, onde defendeu o Sion. Um fato inusitado da passagem pelo “Velho Mundo” é que pela sua contagem fez 64 gols, entretanto, a Federação Suíça de Futebol registrou 19 gols marcados entre as temporadas de 1992 e 1993.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos