Tumulto em Copacabana na dispersão do Baile da Favorita ganha destaque na imprensa internacional

Confusão e tumulto na dispersão do Baile da Favorita, em Copacabana, na abertura oficial do carnaval

RIO — O tumulto ocorrido em Copacabana após a apresentação do Baile da Favorita, na abertura oficial do carnaval carioca, teve repercussão internacional. A rede de televisão americana “ABC News” destacou que a grande celebração que marcou o início dos 50 dias de folia na cidade foi marcada por gás lacrimogêneo, garrafas e confrontos entre policiais e foliões no bairro. A festa reuniu aproximadamente 300 mil pessoas neste domingo, segundo a Riotur, e contou com a participação de outros artistas, como Preta Gil, além da escolha do Rei Momo e da Rainha do carnaval.

A “ABC News” noticiou que não ficou claro como a confusão começou. A “RTP Notícias”, de Portugal, também destacou que o início do distúrbio não foi claro, embora o site de notícias portuguesa afirme que, à noite, a polícia tentou dispersar a multidão, o que provocou correria na praia.

Ambos os sites publicaram que as forças de segurança afirmam que policiais foram atacados com garrafas e pedras. As publicações lembraram que, inicialmente, a Polícia Militar se manifestou contrária à realização do Baile da Favorita.

Confusão após o show

Cerca de uma hora depois do fim do show do Bloco da Favorita, uma confusão generalizada tomou conta da Avenida Atlântica, na altura do Copacabana Palace. O tumulto, que começou cerca de uma hora depois do show da Favorita, se estendeu até o Leme, as imediações do Túnel Novo e o Rio Sul, em Botafogo. Dezenas de pessoas estiveram na 12ª DP (Copacabana) para registrar o roubo de celulares, carteiras e bolsas. E até o vidro lateral do Hotel Windsor Excelsior foi quebrado.

Segundo relatos, dois carros da Polícia Militar e da Guarda Municipal chegaram para dispersar o público quando pessoas começaram a atirar garrafas, incluindo de vidro, na direção dos veículos. Os agentes responderam com bombas, a princípio, de gás de pimenta, e as pessoas começaram a correr. Alguns foliões chegaram a pular uma cerca de ferro, montada para separar o espaço do palco. Diversas pessoas começaram a passar mal por conta do efeito do gás.