Turba que tomou Capitólio pretendia 'capturar e assassinar' legisladores

·2 minuto de leitura
Jacob Chansley durante a invasão do Capitólio por parte de uma turba de seguidores do presidente dos EUA, Donald Trump, em 6 de janeiro de 2021

Os promotores americanos acreditam que os partidários do presidente Donald Trump planejavam "capturar e assassinar legisladores" durante o ataque ao Capitólio na semana passada - de acordo com um novo documento judicial.

Com esta acusação, apresentada pelos advogados do Departamento de Justiça na quinta-feira à noite, o departamento busca a prisão de Jacob Chansley, do Arizona, o ideólogo das teorias da conspiração do QAnon que entrou no Capitólio com o torso nu e usando chifres na cabeça.

"Evidências sólidas, incluindo as próprias palavras e ações de Chansley no Capitólio, sustentam que a intenção dos manifestantes era capturar e assassinar funcionários eleitos do governo dos Estados Unidos", disseram os promotores sobre a invasão em 6 de janeiro.

Os promotores afirmam que Chansley, de 33 anos, deixou um bilhete para Mike Pence na bancada do Senado, onde o vice-presidente estivera minutos antes, dizendo: "É apenas uma questão de tempo, a justiça está chegando".

Este novo documento fornece mais informações sobre a investigação conduzida pelo FBI (a Polícia Federal americana) sobre o ataque ao Congresso, episódio em que cinco pessoas morreram, incluindo um policial.

As autoridades já apresentaram acusações contra algumas das pessoas envolvidas no ataque, incluindo um homem que agitava a bandeira confederada dentro do edifício, outro vestindo um moletom com a inscrição "Camp Auschwitz" e um nadador americano campeão olímpico.

Chansley deve comparecer perante o tribunal nesta sexta-feira.

Os promotores disseram que ele é um usuário regular de drogas e provavelmente tem problemas de saúde mental.

"Chansley falou abertamente sobre sua crença de que é um alienígena, um ser superior e que está aqui na Terra para ascender a outra realidade", afirmam os promotores no documento.

Os promotores pediram sua prisão, porque há "risco de fuga e perigo para a comunidade".

Chansley está ligado ao QAnon, um grupo de extrema direita defensor de teorias da conspiração e acusado de invasão do Capitólio, junto com alguns apoiadores de Trump.

As plataformas de redes sociais começaram a adotar medidas contra seus seguidores, que acreditam que Trump está travando uma guerra secreta contra um culto liberal de pedófilos adoradores de Satanás.

Trump foi acusado na quarta-feira pela Câmara de Representantes de "incitamento à insurgência" por encorajar seus partidários a marcharem contra o Congresso.

Mais de 20.000 membros da Guarda Nacional estão destacados em Washington, cujo centro foi fechado esta madrugada por medo de mais violência durante a posse de Joe Biden em 20 de janeiro.

jfx/rma/dga/mar/mr/tt