Turismo sexual e carros importados: Saiba como funcionava esquema de superfaturamento na impressão de provas do Enem

·1 min de leitura
Esquema de corrupção superfaturava impressão de provas do Enem. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Esquema de corrupção superfaturava impressão de provas do Enem. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
  • Segundo PF, empresa pagou turismo sexual para servidor envolvido em fraude envolvendo contratos milionários do Enem

  • Esquema de corrupção no Inep superfaturava contratos da impressão de provas do Enem

  • Além das viagens de turismo sexual, outra funcionária comprou carros importados, como Ferrari e Porsche

A Polícia Federal apurou que uma empresa especializada em segurança digital cooptou um servidor do Instituto Nacional de Estudos Educacionais (Inep) por meio de viagens direcionadas ao turismo sexual. A informação foi divulgada pelo portal Metrópoles.

Segundo os investigadores, o objetivo era fazer com que o funcionário auxiliasse no esquema de corrupção envolvendo contratos milionários de gráficas que imprimiam provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O esquema, com suspeita de superfaturamento de R$ 130 milhões em contratos envolvendo as provas do Enem, teria acontecido entre 2010 e 2019.

Funcionários do órgão são investigados por favorecer determinadas empresas e por enriquecimento ilícito.

De acordo com informações reveladas pelo Metrópoles, o servidor Gerson Leão Passos foi alvo da operação deflagrada pela PF na manhã desta terça-feira (7).

Passos atuou como fiscal dos contratos fraudados. Ele recebe salário bruto de R$ 7.235,57 e não exerce função de chefia.

A investigação aponta que Gerson Passos teria atuado com a empresa Valid para garantir que ela passaria por todas as etapas necessárias no processo de seleções pública.

Outra suspeita é Eunice de Oliveira Ferreira dos Santos. Ela ocupava, em 2018, o cargo de diretora de Gestão e Planejamento do Instituto. O filho de Eunice chegou a comprar dois carros importados, uma Ferrari e uma Porsche Cayenne. Atualmente, ele mora em São Paulo e tinha uma Mercedes, que foi apreendida pela PF.

A funcionária do Inep é concursada como agente administrativo e está cedida ao Governo do Distrito Federal desde junho de 2020. Ela recebe salário bruto de R$ 7.023,46.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos