Turismo de vacina cresce na Rússia com falta de aprovação internacional para Sputnik

·1 minuto de leitura
Vacinação contra Covid-19

Por Polina Nikolskaya

MOSCOU (Reuters) - Agências de viagem da Rússia estão vendendo pacotes turísticos para russos receberem vacinas contra a Covid-19 de outros países, em meio à frustração de alguns cidadãos com o fato de as vacinas produzidas pelo país não terem aprovação internacional.

A Rússia não registrou nenhuma vacina feita no exterior para uso interno, tendo aprovado quatro vacinas produzidas domesticamente, inclusive a Sputnik V. Nenhum dos imunizantes russos foi aprovado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ou pela União Europeia.

A OMS suspendeu seu processo de aprovação da Sputnik V até uma fábrica que foi reprovada em uma inspeção de boas práticas ser visitada novamente, disse a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) no dia 15 de setembro.

A procura de russos por viagens que permitam que as pessoas recebam vacinas estrangeiras aprovadas pela OMS aumenta desde o anúncio da semana passada, disse Maya Lomidze, diretora da Associação de Operadores Turísticos da Rússia (Ator).

A maioria das viagens, que custam cerca de 600-850 euros, são para a Sérvia, e uma empresa oferece a Alemanha como destino. Elas permitem que os clientes recebam uma de quatro vacinas diferentes, incluindo a desenvolvida pela Pfizer, disse a Ator em comunicado.

Se os viajantes escolherem uma vacina de duas doses, têm que agendar duas viagens.

Anna Filatovskaya, diretora de Relações Públicas da Russian Express, que oferece tais pacotes, disse que os clientes estão dando preferência à vacina da Pfizer, que precisa de duas doses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos