Turquia ameaça atacar jihadistas na cidade síria de Idlib

·1 minuto de leitura
Veículos militares turcos na cidade de Binnish, província de Idlib, no noroeste da Síria, perto da fronteira Síria-Turquia

A Turquia ameaçou nesta quinta-feira atacar os jihadistas em Idlib, noroeste da Síria, caso não respeitem o cessar-fogo que supostamente acabaria com os combates na província rebelde.

“A força será usada em Idlib contra aqueles que não respeitarem o cessar-fogo, incluindo os radicais”, afirmou o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, citado pela agência estatal Anadolu.

Na quarta-feira, a Rússia acusou a Turquia de não fazer nada para “neutralizar os terroristas em Idlib”.

Turquia e Rússia, que patrocinam um processo para encerrar os combates em Idlib, anunciaram repetidamente o cessar-fogo na província, mas nenhum deles o manteve.

O governo sírio vem realizando uma ofensiva há meses, com o apoio da aviação russa, na província de Idlib, controlada pelos grupos rebeldes e jihadistas, especialmente o antigo braço do Al Qaeda na Síria.

A intensificação dos atentados em Idlib nas últimas semanas provocou uma intensa troca de farpas entre Ancara, que apoia grupos rebeldes, e Moscou, aliado do presidente sírio Bashar Al Asad.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que renunciou a sua moderação habitual em relação à Rússia, acusou Moscou de participar do "massacre" de civis em Idlib ao lado das forças do regime e denunciou as "promessas não cumpridas".

Pouco depois, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, acusou a Turquia de não fazer nada para “neutralizar os terroristas em Idlib”, situação que considera “inaceitável”.

Ancara está preocupada com a situação de Idlib devido a sua proximidade da fronteira com a Turquia, já que teme que a ofensiva do regime sírio cause um novo fluxo de refugiados na Turquia, que já abriga 3,7 milhões de sírios.