Homem é detido após tentar invadir com carro mercado de rua na Bélgica

Bruxelas, 23 mar (EFE).- A polícia belga informou nesta quinta-feira que um homem foi detido após tentar invadir com um carro em alta velocidade um mercado de rua na Antuérpia, no norte da Bélgica.

O ataque, que não deixou feridos, foi realizado por um homem conhecido pelas autoridades por posse ilegal de armas, indicou a emissora pública "VTR.

"Foi visto um veículo suspeito com matrícula francesa por volta das 11h local (8h, em Brasília) de manhã na cidade. Conduzia em alta velocidade. Os pedestres tiveram que correr para os lados para evitar o atropelamento", indicou o chefe de polícia da cidade, Serge Muyters.

"Nossos colegas de Defesa o localizaram e trataram de detê-lo, mas o motorista estava fora de controle e passou por um semáforo vermelho" em direção ao rio, acrescentou.

A polícia conseguiu parar o carro em uma rua paralela ao rio Escalda, e o homem foi "detido imediatamente".

Foi desdobrada na zona uma equipe de artífices e a polícia abriu uma investigação .

Durante o incidente, ninguém ficou ferido, precisou Muyters, que explicou que a cidade de Antuérpia reforçou a segurança.

"Minha gratidão em nome de todos os cidadãos de Antuérpia aos soldados presentes que intervieram, à polícia e à equipe de resposta rápida", disse o prefeito da cidade, Bart De Wever, através do Twitter.

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, indicou na mesma rede social que segue "de perto" a situação e que as autoridades estão mobilizadas.

Segundo o jornal "Le Soir", o motorista detido era de origem "norte-africana" e usava um traje camuflado. De acordo com a Procuradoria, trata-se de um francês com residência na França.

No porta-malas do veículo foram encontrados diferentes tipos de armas, entre elas um fuzil, precisou esse meio que também afirma que as autoridades determinaram um perímetro de segurança em torno do local do incidente e o serviço de desminagem se encontra na área.

A Bélgica homenageou nesta quarta-feira as 32 vítimas do duplo atentado jihadista em Bruxelas de 22 de março de 2016. EFE