Turquia promete resposta à declaração "ultrajante" de EUA reconhecendo o genocídio armênio

Dominic Evans e Orhan Coskun
·1 minuto de leitura

Por Dominic Evans e Orhan Coskun

ISTAMBUL (Reuters) - A declaração do presidente americano Joe Biden de que o massacre de armênios pelo Império Otomano constituiu um genocídio é "simplesmente ultrajante" e a Turquia responderá de várias maneiras nos próximos meses, disse o porta-voz presidencial da Turquia neste domingo.

Biden rompeu no sábado com décadas de comentários cuidadosamente calibrados da Casa Branca sobre os assassinatos de 1915, para deleite da Armênia e a comunidade armênia nos Estados Unidos, mas tensionando ainda mais a relação entre Washington e Ancara, dois aliados da Otan.

"Haverá uma reação de diferentes formas e graus nos próximos dias e meses", disse à Reuters Ibrahim Kalin, porta-voz e conselheiro do presidente Tayyip Erdogan.

Kalin não especificou se Ancara restringiria o acesso dos EUA à base aérea de Incirlik no sul da Turquia, que tem sido usada para dar suporte à coalizão internacional que luta contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque, ou outras medidas que possa tomar.

As autoridades turcas condenaram imediatamente a declaração de Biden feita no sábado, e Kalin disse que Erdogan trataria do assunto após uma reunião de gabinete na segunda-feira.

"Em um momento e local que consideramos apropriados, continuaremos a responder a esta lamentável e injusta declaração", disse ele.

A Turquia aceita que muitos armênios que viviam no Império Otomano foram mortos em confrontos com as forças otomanas na Primeira Guerra Mundial, mas nega que as mortes tenham sido sistematicamente orquestradas e constituído um genocídio.