TV Globo explicou, em setembro, por que não faria debates virtuais

João Conrado Kneipp
·3 minuto de leitura
Debate online foi sugerido à TV Globo após Boulos confirmar que está com Covid-19. (Foto: Reprodução/Yahoo Notícias)
Debate online foi sugerido à TV Globo após Boulos confirmar que está com Covid-19. (Foto: Reprodução/Yahoo Notícias)

A TV Globo explicou as razões pelas quais não irá realizar nenhum debate de forma remota com os candidatos durante as eleições de 2020. A emissora argumentou em um comunicado à imprensa, divulgado em setembro, que teme ser acusada de favorecimento caso haja alguma oscilação na transmissão.

A possibilidade de um embate on-line foi levantada nesta sexta-feira (27) após Guilherme Boulos (PSOL), candidato à prefeitura de São Paulo, ter testado positivo para o novo coronavírus. O diagnóstico confirmado fez com que TV Globo cancelasse o debate entre ele e Bruno Covas (PSDB), marcado para às 22h desta sexta.

“A alternativa de fazer um debate de forma remota não é possível. Os candidatos precisam ser tratados de forma equânime e ter as mesmas condições, e o público precisa perceber isso. Um candidato pode injustamente ser acusado de estar com ponto eletrônico, de estar recebendo ajuda de assessores, por exemplo. A transmissão pode cair num momento importante do debate, e a Globo ser injustamente acusada de ser a culpada ou, da mesma forma, e também de forma injusta, o candidato ou sua campanha serem acusados de terem provocado a interrupção para fugir de um momento difícil”, explicitou a Globo no comunicado no dia 21 de setembro, quando anunciou que faria os debates de primeiro turno somente com os quatro candidatos mais bem posicionados nas pesquisas.

A jusitificativa da emissora foi pelo cumprimento das regras acertadas com os dois partidos, que previam que o debate na TV Globo seria realizado somente de forma presencial. Ainda de acordo com a emissora, as regras previam o cancelamento caso um dos candidatos apresentasse qualquer problema de saúde.

Leia também

No comunicado da infecção de Boulos, a assessoria do candidato havia dito que pediria para que o encontro entre ele e Covas fosse feito de forma virtual. A campanha do atual prefeito e candidato à reeleição teria dado sinal positivo para que o debate fosse feito de forma online, mas a proposta não foi aceita pela emissora.

Eleições em São Paulo

São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil com quase 9 milhões de pessoas aptas a votar. Com 32.85% dos votos válidos no primeiro turno, Bruno Covas (PSDB) enfrenta Guilherme Boulos (PSOL) que teve 20.24% dos votos válidos..

Covas é prefeito da cidade desde 2018, quando assumiu após o prefeito eleito João Doria (PSDB) deixou o cargo para disputar — e ganhar — o Governo do Estado. Foi Bruno quem esteve à frente da cidade na pandemia do coronavírus.

Já Boulos ficou nacionalmente conhecido em 2018, quando foi candidato do PSOL à presidência. Conhecido por sua atuação com o MTST, ele é professor e concorre pela primeira vez ao cargo. Sua vice, Luiza Erundina, foi prefeita de São Paulo no final da década de 1980.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.