Twitter alerta para informação falsa em post de Eduardo Bolsonaro sobre lockdown

Anita Efraim
·3 minuto de leitura
ELDORADO, BRAZIL - SEPTEMBER 03: Eduardo Bolsonaro, Federal Deputy speaks during the presentation of a bridge development project over the Ribeira de Iguape river on September 3, 2020 in Eldorado, Brazil. Eldorado is a city in the countryside of the state of Sao Paulo where Jair Bolsonaro was raised. The bridge will provide access from the Boa Esperanca neighborhood to the Quilombo de Sao Pedro. (Photo by Miguel Schincariol/Getty Images)
Eduardo Bolsonaro postou informações falsas sobre o lockdown como medida de combate à covid-19 (Foto: Miguel Schincariol/Getty Images)

O Twitter colocou um aviso em um post feito pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), alertando que se trata de uma informação falsa sobre a covid-19.

“Este Tweet violou as Regras do Twitter sobre a publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à COVID-19. No entanto, o Twitter determinou que pode ser do interesse público que esse Tweet continue acessível”, diz o alerta antes da publicação de Eduardo Bolsonaro.

Rede social colocou alerta antes de post de Eduardo Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Rede social colocou alerta antes de post de Eduardo Bolsonaro (Foto: Reprodução)

Leia também

O filho do presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar o lockdown como medida de combate à covid-19. Segundo o deputado, o isolamento seria “o contrário do distanciamento social”, porque as pessoas estão na mesma casa.

Antes do aviso colocado pelo Twitter, a postagem de Eduardo Bolsonaro foi alvo de críticas, por não fazer sentido. É cientificamente comprovado que o isolamento social é importante no combate à pandemia do coronavírus. Quanto menos contato com pessoas, menos o vírus é capaz de se espalhar. O contato com as mesmas pessoas, da mesma casa, diariamente, não é danoso – caso não haja contato com mais pessoas.

Bolsonaro contra o lockdown

TOPSHOT - Brazilian President Jair Bolsonaro gestures as he speaks during the announcement of support measures to philanthropic hospitals in the fight against the novel coronavirus disease, COVID-19, at Planalto Palace in Brasilia, on March 25, 2021. - Brazil's death toll in the coronavirus pandemic surpassed 300,000 on March 24, as a deadly surge that has pushed hospitals to the brink made it the second country after the United States to pass the bleak milestone. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Presidente Jair Bolsonaro já se posicionou diversas vezes contra o lockdown no Brasil (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)

Presença constante nas falas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o "lockdown" significa não restrição de movimento de pessoas ou confinamento social. No contexto da pandemia, trata-se de uma restrição adotada em momentos de emergência, na qual as pessoas não devem sair de casa para preservar sua segurança. Não se equiparando propriamente aos conceitos de toque de recolher, quarentena ou distanciamento social, por exemplo.

"Existe claramente uma disputa. O governo federal se colocou contrário às medidas de restrição contra a Covid-19, sendo que nem mesmo reconhecia a gravidade da doença há algum tempo. Criou-se um falso dilema entre vida e economia, que é desmentida pela experiência europeia na gestão da crise sanitária. [Lockdown] É um termo que vem sendo utilizado como uma maneira de criar uma narrativa, digamos assim, que tente mostrar às pessoas que a ação de governadores e prefeitos está produzindo a crise ao invés de resolvê-la", opina Edison Ricardo Emiliano Bertoncelo, professor de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) ao Yahoo! Notícias.

Rita Kramer, professora e analista de discurso, corrobora com essa linha de pensamento. Para ela, os signos de qualquer língua são "equívocos", podendo adotar diferentes significados. No caso do combate à pandemia no Brasil, a expressão "lockdown" estaria no meio de um embate de caráter ideológico.

Países com governo de direita que apoiaram o lockdown

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alegou, em 10 de março, que “governadores de esquerda destruíram milhões de empregos em seus estados obrigando o povo a ficar em casa”. A fala foi feita logo após o discurso do ex-presidente Lula (PT), que incentivou o confinamento, também conhecido como lockdown.

No entanto, a medida de confinar pessoas em casa como ferramenta para impedir a propagação do coronavírus não é uma ideia de governantes de esquerda. Confira alguns países governados por políticos de direita que instauraram o lockdown no último ano:

  • Chile

  • Reino Unido

  • Israel

  • Alemanha