Twitter diz ter marcado 300.000 mensagens 'enganosas' sobre eleições nos EUA

·1 minuto de leitura
Múltiplos tuítes do presidente americano, Donald Trump, nos dias que se seguiram às eleições, em 3 de novembro, foram marcadas com alertas pela rede social
Múltiplos tuítes do presidente americano, Donald Trump, nos dias que se seguiram às eleições, em 3 de novembro, foram marcadas com alertas pela rede social

O Twitter marcou 300 mil mensagens relacionadas com as eleições presidenciais americanas como "potencialmente enganosas" nas duas semanas que abrangeram a votação, o correspondente a 0,2% das postagens relacionadas com o pleito, informou a rede social nesta quinta-feira (12).

A empresa anunciou que as etiquetas foram emitidas entre 27 de outubro e 11 de novembro, uma semana antes e uma semana depois das eleições eleitorais de 3 de novembro, nas quais o democrata Joe Biden venceu o presidente republicano Donald Trump.

Dos 300 mil tuítes marcados, 456 foram cobertos com uma mensagem de alerta e tiveram suas ferramentas de engajamento limitadas - os usuários não puderam curtir, retuitar ou replicar as postagens, explicou Vijaya Gadde, diretora de questões jurídicas, de segurança, confiança e normas do Twitter, em uma postagem em um blog.

Ela estimou que 74% das pessoas que viram os tuítes problemáticos o fizeram depois que eles estavam marcados como enganosos ou com as mensagens de alerta, e o compartilhamento das postagens, consequentemente, caíram cerca de 29%.

Durante o período eleitoral, o Twitter postou mensagens nas páginas dos usuários americanos que foram vistas 389 milhões de vezes que "lembravam às pessoas que os resultados das eleições provavelmente atrasariam e que a votação pelo correio era segura e legítima", acrescentou Gadde.

Quase metade dos tuítes de Trump foi marcada pela plataforma nos dias que se seguiram às eleições, enquanto o presidente alegava, sem evidências, que havia vencido o pleito e que o processo tinha sido corrompido por uma fraude maciça.

jul/lo/acb/mdl/mvv