Twitter faz novos cortes: funcionários responsáveis por moderação de conteúdo são demitidos

Sob o comando do bilionário Elon Musk, o Twitter fez mais cortes em sua já reduzida equipe responsável pela moderação de conteúdo global, bem como na unidade relacionada ao combate de discurso de ódio e assédio, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

Elon Musk e Tesla: veja a última jogada do bilionário para se livrar de processo na Justiça

Pelo menos mais uma dúzia de cortes na noite de sexta-feira afetaram trabalhadores nos escritórios da empresa em Dublin, na Irlanda, e Singapura, de acordo com fontes. Teriam sido cortados Nur Azhar Bin Ayob, responsável pelo tema para região da Ásia-Pacífico, e Analuisa Dominguez, diretora sênior de política do Twitter.

Entenda: Elon Musk se torna a primeira pessoa na História a perder US$ 200 bilhões

Desvalorizada na bolsa: Musk diz que vai suspender a venda de ações da Tesla por pelo menos dois anos

Os trabalhadores das equipes que lidam com a política de desinformação e outras áreas como a de apelação, responsável por analisar casos em que é necessário maior acuidade, e “state media” também foram eliminados.

Ella Irwin, chefe de confiança e segurança do Twitter, confirmou que vários membros das equipes foram cortados, mas negou que tenham como alvo algumas das áreas mencionadas pela Bloomberg.

Fiscal: Haddad quer aumentar receitas para reduzir déficit nas contas públicas

Entenda: Salário mínimo de R$ 1.320: crescimento de aposentadorias dificulta novo valor

“Fazia mais sentido consolidar equipes sob um líder (em vez de dois), por exemplo”, disse Irwin em uma resposta por e-mail a uma solicitação de comentário.

Ela disse que o Twitter eliminou papéis em áreas da empresa que não receberam “volume” suficiente para justificar o apoio contínuo. Mas ela disse que o Twitter aumentou a equipe em seu departamento de apelações e que continuaria a ter um chefe para a região da Ásia-Pacífico da plataforma para confiança e segurança.

Veja mais: Tesla é acusada de demitir ilegalmente funcionários por críticas a Musk

Musk comprou o Twitter por US$ 44 bilhões em outubro do ano passado, financiando parcialmente o acordo com quase US$ 13 bilhões de dívidas que implicaram reembolsos de juros de cerca de US$ 1,5 bilhão por ano. Desde que assumiu a empresa, Musk supervisionou demissões de cinco mil dos 7.500 funcionários do Twitter.

Falando em um evento do Twitter Spaces no mês passado, o empresário comparou a empresa a um "avião que está indo em direção ao solo em alta velocidade com os motores em chamas e os controles não funcionam".