Twitter: Grupos LGBTQIAP+ temem discursos de ódio com chegada de Elon Musk

Twitter: Preocupação do grupo LGBTQIAP+ surgiu depois que Musk, que agora detém 100% da empresa, se auto intitulou como
Twitter: Preocupação do grupo LGBTQIAP+ surgiu depois que Musk, que agora detém 100% da empresa, se auto intitulou como "chief twit" (Photo by Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images)
  • Twitter: GLAAD divulgou um comunicado afirmando que teme que o controle total do Twitter por Elon Musk passe a permitir discursos de ódio na rede;

  • Preocupação surgiu depois que Musk se auto intitulou como "chief twit" e afirmou que reverterá a proibição permanente do Twitter ao ex-presidente Donald Trump;

  • Depois de muitas idas e vindas, Elon Musk finalmente concluiu a compra do Twitter.

A GLAAD (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation - Aliança Gay e Lésbica Contra a Difamação, em tradução), organização defensora dos direitos da comunidade LGBTQIAP+, divulgou um comunicado afirmando que teme que o controle total do Twitter por Elon Musk passe a permitir discursos de ódio na rede.

Segundo informações do portal IG Queer, a preocupação surgiu depois que Musk se auto intitulou como "chief twit" e afirmou que reverterá a proibição permanente do Twitter ao ex-presidente Donald Trump, que foi banido da plataforma pela propagação de fake news. Além disso, o executivo já expressou sua vontade de permitir uma variedade maior de pontos de vista na rede.

“Apesar de sua afirmação de que queria comprar o Twitter para ‘ajudar a humanidade’, Elon Musk tem um histórico de postar e defender conteúdo anti-LGBTQ nocivo, bem como conteúdo que prejudica outras comunidades marginalizadas. A GLAAD continua profundamente preocupada com a segurança das pessoas LGBTQ no Twitter e nos juntamos a outras organizações que agora estão questionando as futuras políticas e ações do Twitter contra conteúdo extremista”, diz o comunicado.

Depois de muitas idas e vindas, Elon Musk finalmente concluiu a compra do Twitter. Com o anúncio formal da aquisição, o bilionário já está fazendo seus primeiros movimentos como dono da rede social.

Assim que assumiu o comando, o magnata demitiu executivos do alto escalão do Twitter. Entre eles o CEO Parag Agrawal, o CFO Ned Segal e a chefe de política legal, confiança e segurança Vijaya Gadde.

A primeira publicação na plataforma realizada com o acordo concretizado foi "o pássaro está livre", fazendo referência ao logo da empresa.