Uber é processado por 550 mulheres nos EUA: 'Sequestradas, estupradas e atacadas'

Mais de 550 mulheres entraram com processo contra a Uber nesta quarta-feira, no Tribunal Superior do Condado de São Francisco, nos Estados Unidos. A queixa sustenta que as vítimas "foram sequestradas, agredidas sexualmente, estupradas, presas falsamente, perseguidas, assediadas ou atacadas" por motoristas do aplicativo de transporte de passageiros.

A estratégia global da Uber: lobby com líderes mundiais e drible na regulação

'Vendemos uma mentira': Ex-lobista do Uber vazou milhares de documentos da empresa

A acusação foi feita por meio do por advogados do escritório Slater Slater Schulman e afirma que os casos ocorreram desde 2014 em vários estados americanos.

Em nota encaminhada à BBC, a Uber afirmou que "agressão sexual é um crime horrível e levamos cada denúncia a sério".

"Não há nada mais importante do que a segurança, e é por isso que a Uber criou novos recursos de segurança, estabeleceu políticas centradas no sobrevivente e foi mais transparente sobre incidentes graves. Embora não possamos comentar sobre litígios pendentes, continuaremos mantendo a segurança no coração do nosso trabalho", acrescentou a empresa.

Que tal trabalhar quatro dias por semana? Empresas brasileiras começam a aderir à nova tendência

De acordo com o escritório de advocacia, há ainda outros 150 casos em potencial que estão sendo investigados e que podem também ser apresentados à Justiça americana.

Conforme o documento, a Uber tomou conhecimento das situações de assédio e violência contra clientes mulheres ainda em 2014. Mas, no entanto, a empresa priorizou o "crescimento sobre a segurança do cliente".

Abusos sexuais: Caixa terá auditoria externa para apurar denúncias de assédio

— Todo o modelo de negócios da Uber se baseia em dar às pessoas uma carona segura para casa, mas a segurança dos passageiros nunca foi sua preocupação – o crescimento foi às custas da segurança de seus passageiros — disse Adam Slater, sócio fundador da Slater Slater Schulman, em comunicado à imprensa.

Em junho, a empresa divulgou um relatório de segurança nos Estados Unidos. O documento mostrou que houve 998 incidentes de agressão sexual, incluindo 141 relatos de estupro, em 2020.

A empresa também informou, no documento, que recebeu 3.824 denúncias das cinco categorias mais graves de agressão sexual em 2019 e 2020, variando de "beijo não consensual de uma parte do corpo não sexual" a "penetração sexual não consensual" ou estupro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos