Uber diz que dados sensíveis de usuários não foram violados em invasão hacker

Segundo a Uber, dados sensíveis de usuários não foram violados em invasão hacker. Foto: REUTERS / Brendan McDermid.
Segundo a Uber, dados sensíveis de usuários não foram violados em invasão hacker. Foto: REUTERS / Brendan McDermid.

Resumo da notícia:

  • A Uber afirmou que dados sensíveis de usuários não foram violados em ‘incidente de segurança cibernética’;

  • Um hacker de 18 anos teria sido o responsável pela invasão aos sistemas internos da empresa;

  • A notícia sobre a invasão fez as ações da empresa caírem quase 5%.

Na última sexta-feira (16), a Uber informou pelas redes sociais que não existem evidências de que dados sensíveis de usuários foram comprometidos durante o ‘incidente de segurança cibernética’ anunciado pela imprensa nesta semana e que segue investigando o caso.

A companhia se recusou a comentar as notícias segundo as quais um hacker de 18 anos teria sido o responsável pelo ataque.

Leia também:

No Twitter, a conta de um usuário, que alega ter sido o responsável pela invasão, divulgou capturas de tela de sistemas internos da empresa.

“Ele disse que, simplesmente, depois de criar um nome de usuário e uma senha válidos, enganou um membro da equipe da Uber para que lhe concedesse acesso aos sistemas internos”, disse o analista independente de segurança cibernética, Graham Cluley, sobre o jovem que disse ter sido o responsável pela invasão ao sistema.

O suposto hacker afirmou pela rede social que se comunicou com um funcionário da Uber por mais de uma hora através de notificações e WhatsApp, alegando ser um membro da equipe de suporte técnico da empresa.

“Muitas outras empresas provavelmente estão em risco de cometer um equívoco semelhante”, explicou Cluley.

A Uber disse que todos os serviços da empresa estavam funcionando e que "não havia evidência de que o incidente envolveria o acesso a dados confidenciais".

A notícia da invasão fez as ações da companhia caírem 5% na última sexta-feira.

*Com informações da AFP e The New York Times.