Uber Eats: lei garante pagamento mínimo a entregadores em Nova York

·1 minuto de leitura
Imagens de entregadores trabalhando durante enchentes motivaram votação. Foto: Getty Images.
Imagens de entregadores trabalhando durante enchentes motivaram votação. Foto: Getty Images.
  • Trabalhadores também terão acesso aos banheiros de restaurantes colaboradores

  • Imagens de entregadores trabalhando durante enchentes motivaram votação

  • Aplicativos vão estar proibidos de impor taxas adicionais

A Câmara Municipal de Nova York aprovou na última quinta-feira (23) um pacote de leis que visam garantir certos direitos básicos aos trabalhadores de aplicativos de entrega. Entre os contemplados, estão entregadores de plataformas populares como Uber Eats, o Grubhub e o DoorDash. A partir da nova legislação, os prestadores de serviço vão ter direito a pagamento mínimo por delivery e acesso a banheiros em restaurantes para os quais estejam trabalhando.

As empresas por trás dos aplicativos também terão de se adequar às novas leis. Agora, elas estão proibidas de fazer os depósitos aos entregadores em bancos específicos e de cobrar taxas extras a partir dos ganhos dos trabalhadores, como no caso de gorjetas dadas pelo aplicativo. Além disso, a remuneração deve ser proporcional às suas entregas uma vez por semana.

Leia também:

O projeto de lei aprovado também exige dos aplicativos que eles estabeleçam uma nova cláusula nos seus contratos com restaurantes colaboradores: garantir o acesso dos entregadores ao banheiro nos estabelecimentos.

Uma das razões por trás da votação do projeto de lei foi a divulgação de imagens de entregadores trabalhando em situações de risco. Com os estragos causados pelo furacão Ida nas últimas semanas, vídeos de trabalhadores completando entregas em meio às enchentes circularam pela internet.

As informações são do B9.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos