Ucrânia acusa empresa francesa Thales de burlar sanções e vender armamento à Rússia

·2 min de leitura
A multinacional francesa Thales foi acusada de vender equipamentos para a Rússia que foram usados para atacar civis (AFP/PHILIPPE HUGUEN) (PHILIPPE HUGUEN)

Um assessor da presidência ucraniana acusou nesta sexta-feira (22) o grupo francês de equipamentos de defesa Thales de contornar sanções e vender para a Rússia equipamentos usados para matar civis, alegações negadas pela empresa.

"Uma família estava tentando escapar, mas foi morta por assassinos russos", tuitou o assessor presidencial Mikhailo Podoliak. "Assassinada, como está sendo mostrado agora, com armas francesas vendidas burlando as sanções em 2015", acrescentou.

Contactado pela AFP, o grupo Thales, cujo maior acionista é o Estado francês, negou ter violado as sanções que foram impostas após a Rússia anexar em 2014 a península ucraniana da Crimeia.

"A Thales sempre cumpriu rigorosamente as regulamentações francesas e internacionais, inclusive no que diz respeito às sanções europeias de 2014 contra a Rússia", disse.

"Nenhum contrato de exportação de equipamentos de defesa foi assinado com a Rússia desde 2014 e nenhuma entrega foi realizada para a Rússia desde o início do conflito na Ucrânia", afirmou a empresa, que decidiu parar de operar na Rússia.

Em sua mensagem no Twitter, Podoliak reproduz o vídeo de um blogueiro ucraniano, Pavlo Kashchuk, em que ele analisa os danos causados a um carro em que foi encontrado o corpo de uma mulher assassinada em Bucha, perto de Kiev.

"Como soldados russos mal treinados conseguiram atirar com tanta precisão com antigos equipamentos pós-soviéticos?", questionou Kashchuk.

O blogueiro disse que encontrou a resposta para essa pergunta na cidade vizinha de Vorzel, onde as forças ucranianas capturaram quatro veículos blindados BMD-4 da Rússia.

Segundo Kashchuk, esses veículos estavam equipados com sofisticados sistemas de controle de incêndio, tecnologia que havia sido vendida à Rússia pela Thales.

Em seu vídeo, o blogueiro também mostrou uma câmera térmica supostamente recuperada de um tanque russo abandonado. É possível ver o logotipo da Thales com a data 16/06 e as palavras "made in Russia". Kashchuk disse que o dispositivo foi montado na Rússia com componentes da Thales.

"Este é apenas um dos muitos esquemas que permitem às empresas francesas contornar o embargo", declarou.

bur-tbm-uh/mra/mm/sag/dl/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos