Ucrânia avança para a reconquista da região anexada de Kherson

Na Ucrânia, muitos habitantes recusam abandonar as cidades da linha da frente, apesar dos bombardeiros russos. Bakhmut, no leste do país, é um exemplo.

A Ucrânia continua a ganhar terreno e prevê-se que a batalha pela região anexada de Kherson, no sul do país, seja a maior desde o início da guerra.

Aos avanços ucranianos, a Rússia responde com ataques de artilharia e drones e reforça tropas para tentar manter territórios anexados.

"Em dois dias foram libertados pela Rússia mais de 30 drones. Os defensores do nosso céu impediram que os abutres do nosso inimigo entrassem no interior do país e abateram 23 drones de fabrico iraniano.Além disso, um míssil aéreo guiado Kh-59, dois helicópteros de ataque Ka-52 e um avião de ataque russo Su-25 foram transformados em sucata. No total, durante este período, a Rússia somou 4500 ataques com mísseis e mais de 8 mil raides aéreos, mas estamos a lutar. Vamos abater mais aparelhos", sublinhou o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy.

Os ataques russos com drones afetaram gravemente o abastecimento de eletricidade na Ucrânia, em plena contagem decrescente para o inverno.

Kiev continua a pedir a ajuda dos aliados, mas também consegue equipamentos através da arrecadação de fundos, como sistemas de desminagem, muito úteis à medida que o exército avança no território anteriormente ocupado pelos russos.