Ucrânia diz que 32 jornalistas morreram desde o início da guerra contra a Rússia

Pelo menos 32 jornalistas foram mortos desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, de acordo com o governo da Ucrânia. A informação foi dada pelo ministro ucraniano da Cultura e Política de Informação, Alexander Tkachenko, nesta segunda-feira.

Guerra: Soldado voluntário brasileiro morreu na Ucrânia, dizem outros combatentes

Zelensky visita tropas no front no Leste: 'Vocês merecem a vitória, mas não a qualquer custo’

"Este ano, o Dia do Jornalista tem um sabor amargo", escreveu Tkachenko em seu canal no Telegram. A data é comemorada na Ucrânia em 6 de junho, desde 1994.

"Em oito anos de guerra, foram ainda mais os profissionais perdidos. Em memória dos nossos combatentes", acrescentou Tkachenko, em referência à anexação da Crimeia pela Rússia em 2014. O ministro também classificou os jornalistas como "heróis" e "lutadores na linha da frente da informação".

Indiscrição: Brasileiros na legião estrangeira ucraniana são acusados de dar pistas à Inteligência russa nas redes

Em março, o jornalista americano Brent Renaud, de 50 anos, morreu baleado na cidade de Irpin, nos arredores da capital Kiev. Esta foi a primeira morte registrada na guerra da Ucrânia.

O último caso ocorreu na segunda-feira da semana passada, quando o jornalista Frédéric Leclerc-Imhoff, de 32 anos, morreu durante a retirada de civis da cidade de Severodonetsk, no Leste da Ucrânia. O francês foi atingido no pescoço por estilhaços que perfuraram o veículo blindado em que viajava, durante um ataque russo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos