Ucrânia pede que moradores deixem sul do país devido a planos de contra-ataque

Por Max Hunder

KIEV (Reuters) - A vice-primeira-ministra da Ucrânia pediu neste domingo que os civis na região de Kherson, no sul do país, ocupada pela Rússia, deixem a região com urgência à medida que as forças armadas da Ucrânia preparam um contra-ataque no local.

A Ucrânia perdeu o controle da maior parte da região do Mar Negro de Kherson, incluindo sua capital, de mesmo nome, nas primeiras semanas após a invasão da Rússia em 24 de fevereiro.

"Está claro que haverá combates, haverá bombardeios de artilharia... e, portanto, pedimos (às pessoas) que se retirem com urgência", disse a vice-premiê, Iryna Vereshchuk, em rede nacional.

Ela acrescentou não saber dizer quando exatamente a contraofensiva acontecerá.

"Eu sei com certeza que não deve haver mulheres e crianças lá e que elas não devem se tornar escudos humanos", disse Vereshchuk.

As autoridades de Kherson que estão instaladas na Rússia dizem que querem realizar um referendo sobre junção à Rússia, mas que ainda não definiram uma data. O Kremlin diz que o futuro da região deve ser determinado por seus residentes.

A região de Kherson inclui a cidade de mesmo nome, que antes da guerra tinha uma população de quase 300 mil habitantes. Não se sabe quantos moradores da cidade ainda estão lá.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos