Ucrânia prepara-se para desastre nuclear

A Ucrânia diz estar a preparar-se para qualquer cenário na central nuclear de Zaporizhzhia, no leste do país, controlada pelas forças invasoras russas.

O Serviço de Emergência ucraniano realizou exercícios de primeiros socorros em caso de acidente nuclear sob a vigilância do Ministro do Interior, Denys Monastyrsky, que acusou Moscovo.

"Claro, compreendemos que estamos a lidar com um Estado terrorista. Portanto, temos de compreender que toda a responsabilidade pelo que está atualmente a acontecer na central e por quaisquer cenários que se estejam a desenrolar recai sobre a Federação Russa. Temos de nos preparar para quaisquer cenários possíveis em relação a isto", disse.

Kiev acusa o Kremlin de armazenar armas pesadas na central e de usá-la como escudo e base para atacar as tropas ucranianas. Moscovo acusa a Ucrânia de atacar a infraestrutura e provocar incêndios.

A NATO defende que é "urgente" que a Agência Internacional de Energia Atómica realize uma inspeção à central nuclear de Zaporizhia.

O secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, afirma que "A tomada da central nuclear de Zaporizhzhia, pelas forças russas, constitui uma séria ameaça à segurança destas instalações, aumenta o risco de um acidente ou incidente nuclear e põe em perigo a população da Ucrânia, dos países vizinhos e da comunidade internacional".

Prosseguem os intensos bombardeamentos russos nas regiões de Odessa, no sul da Ucrânia, e em Donetsk, no leste. Há notícia de dois civis mortos e sete feridos.

Entretanto, várias explosões e incêndios foram avistados na Crimeia, ocupada pela Rússia em 2014. De acordo com as autoridades ucranianas, uma base militar russa na cidade de Nova Kakhovka terá sido atingida e 12 soldados russos terão perecido.

Estes novos ataques têm vindo a demonstrar tanto a vulnerabilidade dos russos como a capacidade dos ucranianos de atacar profundamente atrás das linhas inimigas.