Ucrânia quer retomar negociações com a Rússia após reforço militar do Ocidente

O governo ucraniano declarou neste sábado que quer fortalecer suas posições em seu território com a ajuda das armas prometidas pelo Ocidente antes de retomar as negociações de paz com a Rússia.

Assista: Videográfico explica conflito iniciado com invasão russa em fevereiro

Diário da guerra: Mapas, fotos e vídeos revelam evolução dia a dia dos combates entre Rússia e Ucrânia

Cem dias da guerra na Ucrânia: Minas explosivas são legado perigoso e já infestam 300 mil km²; veja vídeo

— As nossas Forças Armadas estão prontas para usar as novas armas. E então poderemos iniciar uma nova rodada de negociações a partir de uma posição mais forte — disse o negociador ucraniano David Arakhamia.

A declaração é dada após a Ucrânia anunciar que conseguiu fazer as forças russas recuarem em Severodonetsk, na região de Donbass, onde Moscou concentra sua ofensiva para assumir o controle total da província.

— Se antes tínhamos uma situação difícil com cerca de 70% (da cidade) capturada, agora eles foram empurrados para trás em 20% — disse o governador de Luhansk, Serhyi Gaidai.

Sem patriarca Cirilo: União Europeia conclui 6º pacote de sanções contra Rússia

Hoje, quatro combatentes voluntários estrangeiros da Legião de Defesa da Ucrânia perderam a vida em combate, informou um comunicado da brigada, citado pelo jornal "The Guardian". Trata-se de um alemão, um holandês, um australiano e um francês, cujas identidades não foram reveladas.

Reação: Rússia anuncia criação de novas bases militares no Oeste do país em resposta à expansão da Otan

De acordo com o chefe de gabinete do presidente da Ucrânia, Andriy Yermak, as Forças Armadas do país destruíram quase inteiramente o 35º Exército da Federação Russa em Izyum, na região Nordeste de Kharkiv.

— Quase todo o 35º Exército foi destruído em Izyum — disse ele ao portal Ukrinform.

Além disso, centenas de pessoas estão fugindo da cidade de Sloviansk, no Leste da Ucrânia, e o número de evacuações quase dobrou nesta semana, segundo o chefe da administração militar da cidade, Vadym Lyakh.

— Todos os dias, cerca de 70 a 100 pessoas saem da cidade de Dnipro e 100 a 200 pessoas partem para outras partes da Ucrânia — disse Lyakh, acrescentando que o "fluxo de tráfego está aumentando, mais ônibus de evacuação estão sendo adicionados e as pessoas estão recebendo hospedagem e alimentação gratuitas por voluntários locais".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos