Ucrânia retoma exportações de grãos pela primeira vez desde a invasão russa

A Ucrânia retomou nesta segunda-feira (1) as exportações de grãos, depois que um navio carregado com milho zarpou do porto de Odessa, o primeiro desde o início da invasão russa, seguindo o acordo assinado com a Rússia que pretende aliviar a crise alimentar mundial.

"O navio 'Razoni' zarpou do porto de Odessa com destino ao porto de Trípoli, no Líbano. Deve chegar em 2 de agosto a Istambul. Seguirá a rota até o destino após as inspeções que serão feitas em Istambul", anunciou o ministério turco da Defesa.

De acordo com o ministro ucraniano da Infraestrutura, Oleksandr Kubrakov, o navio com bandeira de Serra Leoa transporta uma carga de 26.000 toneladas de milho.

O acordo, assinado em em 22 de julho em Istambul entre representantes da Rússia, Ucrânia, Turquia e da ONU, permite a retomada das exportações ucranianas sob supervisão internacional.

Um acordo similar assinado no mesmo momento também garante a Moscou a exportação de seus produtos agrícolas e fertilizantes, apesar das sanções ocidentais.

Rússia e Ucrânia são grandes potências agrícolas e responsáveis por abastecer grande parte do mercado mundial com trigo, milho e óleo de girassol. Analistas calculam que entre 20 e 25 milhões de toneladas de grãos estão bloqueados nos portos ucranianos desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro, o que provocou a disparada dos preços.

"Dia de alívio para o mundo, especialmente para nossos amigos do Oriente Médio, Ásia e África, quando os primeiros cereais ucranianos deixam Odessa após meses de bloqueio russo", afirmou o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitro Kuleba.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, celebrou a retomada das exportações e disse esperar que outros navios comerciais possam zarpar e aportar "a indispensável estabilidade e assistência à segurança alimentar mundial, especialmente nos contextos humanitários mais frágeis", segundo um comunicado.

A União Europeia e a Otan também celebraram este "primeiro passo" e pediram a aplicação total do acordo.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, destacou a necessidade de "aliviar a crise alimentar mundial causada pela guerra da Rússia na Ucrânia".

Moscou, por sua vez, classificou a saída do navio como "muito positiva". "Esperamos que todas as partes apliquem o acordo e que os mecanismos funcionem com eficácia", disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

- Empresário morto -

Na frente de batalha, as tropas russas prosseguem com os bombardeios contra as cidades ucranianas, em particular em Mykolaiv (sul), onde o ataque mais violento desde o início da guerra matou um dos principais empresários da região no domingo, segundo as autoridades locais.

Os bombardeios mataram Oleksiy Vadatursky, dono da principal empresa ucraniana de logística para cereais, e sua esposa Raisa. "Era um dos empresários agrícolas mais importantes do país, uma figura crucial da região, que gerava muitos empregos" afirmou Mikhailo Podoliak, assessore da presidência ucraniana.

O presidente Volodymyr Zelensky prestou homenagem ao empresário e o chamou de "herói da Ucrânia" em um discurso no domingo.

Na madrugada de segunda-feira foram registradas fortes explosões na cidade do sul do país, informou o prefeito Oleksandr Senkevych.

Já na região estratégica de Kherson, também no sul, os ucranianos anunciaram nesta segunda-feira que recuperaram mais de 40 cidades em sua contraofensiva.

As regiões de Kharkiv (leste) e Sumy (nordeste) também foram bombardeadas. Vários edifícios foram destruídos em uma série de explosões em Kharkiv, anunciou o prefeito da segunda maior cidade ucraniana, Igor Terekhov.

Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas na região de Sumy, alvo de mais de 50 bombardeios nas últimas 24 horas, segundo o governador Dmytro Zhyvytskyi.

Zelensky acusou no sábado as tropas russas de executarem uma estratégia de "terror" com os bombardeios contra as cidades ucranianas e anunciou a retirada geral da população da região leste de Donetsk, em grande parte sob controle russo.

Ao menos 200.000 civis permanecem nos territórios da zona de Donetsk que não estão sob controle de Moscou, de acordo com as autoridades ucranianas.

- Frota russa atacada -

Autoridades pró-Moscou afirmaram que um drone explodiu no domingo na sede da frota russa e deixou seis feridos em Sebastopol, uma cidade portuária que continuou a receber a frota russa do Mar Negro após o fim da União Soviética graças a um acordo com Kiev, mas que foi formalmente anexada por Moscou como o restante da península da Crimeia em 2014.

"Os 'ucronazis' decidiram arruinar o dia da frota militar russa", afirmou o governador Mikhail Razvozhayev, utilizando a expressão empregada pelas autoridades e pela propaganda russa para designar as forças de Kiev.

As autoridades ucranianas negaram envolvimento no ataque e classificaram as acusações russas de "provocação deliberada".

A Marinha ucraniana afirmou que a acusação poderia ser um pretexto para cancelar as celebrações previstas em Sebastopol.

O ataque provocou o cancelamento da festa anual da Marinha russa na cidade. Os festejos, no entanto, foram celebrados em São Petersburgo, oeste da Rússia, com um desfile militar na presença do presidente Vladimir Putin.

Durante o evento, Putin anunciou que a frota russa receberá um novo míssil hipersônico nos "próximos meses" e assinou uma nova doutrina naval para reforçar as posições russas no Ártico.

As autoridades russas anunciaram nesta segunda-feira que proibirão a entrada de 39 britânicos no país, entre eles o líder trabalhista Starmer e o ex-primeiro-ministro David Cameron, em resposta às sanções tomadas contra Moscou.

bur-lpt/cls/ybl/alc/at/es/mis/fp/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos