Ucrânia: ministro do interior e mais 17 morrem em queda de helicóptero

Entre os mortos há, ainda, três crianças, segundo o governador de Kiev, Oleksiy Kuleb.

O ministro do Interior da Ucrânia, Denys Monastyrsky, o vice-ministro do Interior, Yevhen Yenin, e o secretário de Estado do Ministério de Assuntos Internos, Yuriy Lubkovych e outras 15 pessoas morreram em uma queda de um helicóptero em Brovary, nos arredores de Kiev, nesta quarta-feira (18).

Entre os mortos há, ainda, três crianças, segundo o governador de Kiev, Oleksiy Kuleb. A região é alvo de ataques russos.

O ministro do Interior do país, que é um dos cargos mais importantes do país (chefe da pasta é o responsável pelas Forças Armadas), estava na aeronave com outras autoridades de sua pasta quando ela caiu em Brovary, cerca de 20 km a nordeste da capital.

O ministro do Interior da Ucrânia, Denys Monastyrsky, morreu em acidente aéreo nesta quarta (18) (Getty)
O ministro do Interior da Ucrânia, Denys Monastyrsky, morreu em acidente aéreo nesta quarta (18) (Getty)

Segundo informações iniciais das autoridades, o helicóptero atingiu um jardim da infância, e as três crianças mortas no acidente estavam em solo. Há 22 feridos, incluindo dez crianças.

Nove dos mortos estavam a bordo da aeronave, disse Klymenko.

O presidente ucraniano Volodimir Zelenski disse que o ocorrido "É uma tragédia".

Ainda não se sabe se foi um ataque da Rússia ou um acidente. O governo do país invadido pela Rússia em fevereiro passado não descarta sabotagem no aparelho.

Caso seja comprovada a sabotagem, esta foi a mais alta autoridade assassinada desde que as forças de Vladimir Putin atacaram o país vizinho, há quase 11 meses. No entanto, o ministério de Monastyrsky afirma que também estão sendo estudadas outras hipóteses, como defeito técnico e violação de regras de segurança pelos pilotos.

A queda da aeronave acontece após um dos mais rumorosos ataques contra civis da guerra. No sábado (14), um míssil atribuído à Rússia atingiu um prédio residencial em Dnipro, matando 45 pessoas —ainda há duas dezenas de desaparecidos.

O governo de Zelenski acusou os russos de usar um míssil Kh-22, disparado de bombardeiros Tu-22 em espaço aéreo russo, pelo estrago.

No entanto, o Kremlin negou ter mirado o prédio, e disse que a tragédia foi resultado de fogo amigo de baterias antiaéreas ucranianas.