UE concedeu status de refugiado a quase 390.000 pessoas em 2016

Bandeiras da União Europeia

A União Europeia concedeu em 2016 proteção a mais de 700.000 solicitantes de asilo, dos quais quase 390.000 obtiveram o status de refugiado, indicou nesta quarta-feira o escritório europeu de estatísticas Eurostat, ressaltando que mais da metade são sírios.

"Os 28 Estados membros da UE concederam o status protetor a 710.400 solicitantes de asilo em 2016, mais do dobro em relação a 2015", indicou o Eurostat em um comunicado, ressaltando que o número de decisões sobre os solicitantes da Síria também dobrou em comparação com o ano anterior.

Os diferentes tipos de proteção - status de refugiado, proteção subsidiária ou por razões humanitárias - foram concedidos em 57% em 2016 a cidadãos sírios (405.600), seguidos de iraquianos (9%, 65.800), afegãos (9%, 61.800), eritreus (5%) e apátridas (2%), afirma o Eurostat.

A Alemanha foi o país europeu que concedeu o maior número de status de proteção em 2016, 445.210 (mais de 60% do total), seguida de Suécia (69.350), Itália (35.450), França (35.170), Áustria (31.750) e Holanda (21.825).

A Espanha concedeu, por sua vez, 6.875 e Portugal um total de 320.

Além disso, a Alemanha concedeu mais de 70% das medidas de proteção acordadas aos cidadãos sírios que fogem da guerra em seu país, que já deixou desde 2011 mais de 320.000 mortos e obrigou a metade dos 22 milhões de sírios a abandonar seus lares.

Em relação aos tipos de proteção, 389,670 obtiveram o status de refugiado, 263.755 a proteção subsidiária e 56.970 receberam uma autorização de residência por razões humanitárias.

A UE registrou em 2015 e 2016 uma chegada excepcional de centenas de milhares de migrantes através do Mediterrâneo, fugindo principalmente da guerra e da insegurança em seus países.

Mais de 1,2 milhão de migrantes apresentaram solicitações de asilo no bloco europeu em 2016, segundo um comunicado anterior do Eurostat, um número similar ao recorde alcançado em 2015, com 1,26 milhão.