UE convoca embaixador em Cuba que pediu fim do embargo americano

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, convocou seu embaixador em Cuba a dar explicações sobre uma carta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pedindo o levantamento do embargo imposto à ilha.

"Pedimos ao embaixador que venha a Bruxelas para dar explicações ao alto representante da União Europeia (UE) para as Relações Exteriores", informou neste sábado à AFP um porta-voz da diplomacia europeia. O representante da UE na ilha comunista, Alberto Navarro, deve explicar o que o levou a tomar a iniciativa de assinar a carta.

A decisão de Borrell foi tomada depois que um grupo de 16 eurodeputados de centro e direita pediram a destituição do chefe da delegação europeia em Cuba. "Consideramos que o embaixador é indigno do cargo que ocupa desde 2017 (...) e lhe pedimos que o substitua imediatamente", solicitaram no último dia 24, em carta publicada pelo site Politico. Para os parlamentares, Navarro "adota posições políticas concordantes com um regime que não respeita nem defende os direitos humanos ou a pluralidade democrática".

Após duas décadas da chamada Posição Comum, mais estrita em matéria de direitos humanos, a UE confirmou a mudança de sua política para a ilha com a assinatura, em 2016, de um acordo com Cuba, em plena aproximação de Havana e dos Estados Unidos de Barack Obama.

A Eurocâmara costuma adotar uma posição mais ofensiva contra o regime cubano. Mas a diplomacia europeia, que, com Borrell à frente, subiu o tom em relação aos direitos humanos, segue um enfoque mais pragmático para conseguir mudanças, baseado no diálogo e na facilitação dos investimentos de empresas do bloco na ilha.

csg/tjc/jvb/fp/lb