UE eleva tom ante Marrocos e migrantes continuam entrando em Ceuta

·2 minuto de leitura
Migrantes caminham perto da cerca na fronteira entre Espanha e Marrocos

Uma entrada constante de migrantes prosseguia nesta quarta-feira (19) no território espanhol norte-africano de Ceuta, enquanto a União Europeia (UE) elevou o tom contra Marrocos ao afirmar que não será intimidada na questão migratória.

Desde segunda-feira, 8.000 migrantes, um recorde, conseguiram entrar no enclave, uma situação que tem como pano de fundo uma disputa diplomática entre Rabat e Madri, após o atendimento médico prestado pela Espanha ao líder independentista do Saara Ocidental, um território que o governo marroquino considera seu.

Ao mesmo tempo, o governo espanhol prometeu "restaurar a ordem" no pequeno território de 84.000 habitantes.

Nesta quarta-feira, soldados foram mobilizados nas praias fronteiriças, enquanto um navio da Guarda Civil tentava impedir a passagem de migrantes a nado, que não desistem apesar dos riscos.

A Espanha aumentou nas últimas horas a pressão diplomática sobre Marrocos, um parceiro crucial para o controle do fluxo migratório. A embaixadora marroquina em Madri foi convocada na terça-feira para que o governo manifestasse a "irritação e repúdio à entrada em massa de migrantes marroquinos em Ceuta".

Madri recebeu o apoio e solidariedade das autoridades europeias.

Nesta quarta-feira, o vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, advertiu que a "Europa não se deixará intimidar por ninguém" na crise migratória, uma referência velada ao Marrocos.

"Observamos nos últimos meses algumas tentativas de terceiros países (...) de instrumentalizar a migração e isto não podemos permitir", destacou Schinas.

Ceuta "é também uma fronteira europeia e, portanto, a falta de controle por parte das autoridades marroquinas não é algo que represente uma falta de respeito apenas com a Espanha, mas também com o conjunto da UE", destacou o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez.

Controlados pela Espanha durante séculos e reivindicados por Rabat, os enclaves espanhóis de Ceuta e Melilla no norte do Marrocos são as únicas fronteiras terrestres da UE com a África e habituais pontos de passagem de migração irregular.

Além de reforçar a segurança em Ceuta, o governo espanhol acelerou a devolução dos migrantes e 4.800 já retornaram ao Marrocos, segundo Sánchez.

Apesar do dispositivo mobilizado, muitas pessoas continuam reunidas do lado marroquino da fronteira.

Durante a manhã de quarta-feira, várias pessoas chegaram a nado a Ceuta, enquanto eram monitoradas e interceptadas por soldados. Em seguida foram escoltadas para um posto médico.

Muitos chegam exaustos após o esforço para entrar em território europeu. Mas poucos minutos depois são levados para a fronteira e devolvidos ao Marrocos.

hmw-dbh-du/mg/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos